Polícia do DF prende suspeita de usar ‘beleza e simpatia’ para aplicar golpes

A Polícia Civil do Distrito Federal prendeu uma mulher de 29 anos suspeita de se aproveitar da beleza e da simpatia para aplicar golpes. Entre os quase 50 casos registrados, 20 já se tornaram inquéritos por furto e estelionato. A prisão ocorreu nesta terça-feira (18) e foi divulgada nesta quarta (19). Ela chorou ao ser apresentada na delegacia.

Segundo o delegado-adjunto da 1ª DP, João de Ataliba Nogueira, a mulher tinha o costume de aplicar os golpes em salões de beleza, oficinas mecânicas, postos de gasolina, lojas de animais de estimação e até em uma clínica de cirurgia plástica. Vendedores de produtos em sites de compras também foram alvos da suposta estelionatária.

Suspeita presa no DF teria aplicado golpe em clínica de cirurgia plástica (Foto: Arquivo pessoal)
Suspeita presa no DF teria aplicado golpe em clínica de cirurgia plástica (Foto: Arquivo pessoal)

De acordo com as investigações, Larissa se apresentava às vítimas como arquiteta, e fazia uma transferência falsa ao pagar por serviços ou objetos. Para convencer os lojistas e empresários a aceitar pagamentos alternativos, a suspeita usava os dotes físicos e o charme.

“Ela sabia que a transação não seria autorizada e, por meio do charme, inventava uma história, pegava o número da conta corrente da vítima, simulava uma transferência bancária e apresentava um comprovante digital falso”, explicou o delegado.

Câmera de segurança flagrou ação de suspeita em loja de alimentação, no DF (Foto: Polícia Civil/Divulgação)
Câmera de segurança flagrou ação de suspeita em loja de alimentação, no DF (Foto: Polícia Civil/Divulgação)

Após dois meses de investigação, a polícia a localizou em uma loja de produtos fitness, onde tentou fazer uma compra de R$ 300. O dono do local percebeu que o comprovante da transferência não havia caído na conta e negou a venda dos itens. Larissa, então, pegou os artigos e tentou fugir.

Policiais civis já monitoravam a “falsa arquiteta” há dois meses. Eles cumpriram a prisão preventiva pelos crimes de estelionato, e uma prisão em flagrante por furto.

Mais golpes

O delegado-adjunto contou que Larissa também aplicou o “golpe da barriga” em um sommelier, que mora na Asa Sul. “Ela chegou a dizer que estava grávida de gêmeos e começou a perseguir o rapaz”, disse Nogueira.

Em abril deste ano, Larissa jogou um carro contra a portaria do prédio desse homem. Câmaras de segurança do local filmaram a ação. Na ocasião, ela foi até a Delegacia Especial de Atendimento Especializado (Deam) e registou um boletim de ocorrência por agressão e lesão corporal contra o sommelier.

Larissa morava desde o fim do ano passado no Distrito Federal. Ela nasceu em Goiânia, onde cometeu crimes semelhantes. Ao todo, 31 ocorrências já foram registradas contra a suspeita no DF, e outras 14 em Goiás.

Agora, a suspeita deve responder pelos crimes de furto e estelionato. Na tarde desta quarta, Larissa foi encaminhada à Penitenciária Feminina do DF (Colmeia).

Pilha de ocorrências contra a mulher presa nesta terça no DF, na mesa da 1ª DP (Foto: Letícia Carvalho/G1)
Pilha de ocorrências contra a mulher presa nesta terça no DF, na mesa da 1ª DP (Foto: Letícia Carvalho/G1)

Fonte: http://g1.globo.com/distrito-federal/noticia/policia-do-df-prende-suspeita-de-usar-beleza-e-simpatia-para-aplicar-golpes.ghtml

 

Novo depoimento de Lula para Moro será dia 13 de setembro

Ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva durante coletiva de imprensa em São Paulo 13/07/2017 REUTERS/Nacho Doce
Lula: já condenado pelo caso Triplex, o petista agora prestará depoimento em caso envolvendo a Odebrecht (Nacho Doce/Reuters)

O juiz federal Sérgio Moro agendou nesta quinta-feira para 13 de setembro depoimento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na segunda ação em que o petista é réu no âmbito da operação Lava Jato, mas abriu a possibilidade de realização do interrogatório por videoconferência.

Moro, que já condenou Lula a 9 anos e 6 meses de prisão pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro no caso envolvendo um apartamento tríplex no Guarujá (SP), citou em despacho “gastos necessários, mas indesejáveis, de recursos públicos com medidas de segurança” para o depoimento anterior do ex-presidente, ao oferecer à defesa de Lula a possibilidade de realização do novo interrogatório por videoconferência com a Justiça Federal de São Paulo.

Lula é acusado nesta ação de receber propinas da Odebrecht na forma de um terreno de 12,5 milhões de reais, que seria destinado à construção da sede do Instituto Lula em São Paulo, e de um apartamento cobertura vizinho ao que Lula mora em São Bernardo do Campo, avaliado em 504 mil reais.

O ex-presidente é réu em outras três ações, uma delas também é relacionada à Lava Jato, mas corre na Justiça Federal do Distrito Federal.

 

Fonte:http://exame.abril.com.br/brasil/novo-depoimento-de-lula-para-moro-sera-dia-13-de-setembro/

Ezequiel pretende que programas de habitação cheguem a cidades de três regiões

Mais cinco municípios de três regiões do Rio Grande do Norte, que registram o problema do déficit de moradia poderão ser beneficiados com os programas específicos do setor habitacional – Moradia Cidadã, nas suas vertentes Servidor e Municípios e Cartão Reforma.

Na última sessão plenária antes do recesso legislativo deste mês, o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Ezequiel Ferreira de Souza (PSDB) protocolou expediente ao Governo do Estado solicitando a implantação nos municípios Currais Novos, Carnaúba dos Dantas e Serra Negra do Norte, no Seridó; Espírito Santo, no Agreste e Campo Redondo, no Trairi.

“Nessa questão do déficit habitacional que atinge não só o Rio Grande do Norte, mas todo o Brasil há cidades mais carentes que outras e por isso precisam de atenção especial das políticas públicas voltadas para o combate a esse déficit. São os casos de Currais Novos, Carnaúba dos Dantas e Serra Negra do Norte, na região Seridó, Espírito Santo, no Agreste e Campo Redondo no Trairi”, justifica Ezequiel.

O Programa Moradia Cidadã, que é executada pela Companhia de Habitação e Desenvolvimento Urbano é uma prioridade nas ações voltadas para o enfrentamento da situação da falta de habitação unifamiliar. Ele contempla inicialmente a possibilidade de financiamento residencial aos servidores do Estado que podem assumir uma parcela mensal de baixo custo.

Um fundo de reserva vai contemplar as famílias de baixa renda, no interior, que não possuem casa própria e não tem condições de pagar um imóvel. A meta até 2018 é a de entregar 40 mil moradias.

No Cartão Reforma as famílias de baixa renda que recebem até dois salários-mínimos terão acesso ao crédito para reforma, ampliação, promoção de acessibilidade ou conclusão de obras. Esse último programa que é do Governo federal, tem um orçamento inicial de R$ 1 bilhão, devendo beneficiar 100 mil pessoas em sua primeira fase.

Superintendente da Agricultura garante cessão do Terminal Pesqueiro para o Estado

A Superintendência Federal da Agricultura (SFA) do Rio Grande do Norte garantiu a cessão do Terminal Pesqueiro Público (TPP) de Natal para o Governo do Estado. A cerimônia de cessão foi realizada nesta terça-feira (19).
O superintendente Getúlio Batista explicou que os assuntos relacionados à pesca foram transferidos do Ministério da Agricultura para o Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) desde 20 de junho. E que, por isso, seria necessário iniciar um novo processo de cessão junto ao novo ministério, mas que conseguiu manter a cessão que vinha sendo negociada para garantir a conclusão da obra.
“Tivemos um longo trabalho junto aos ministérios para garantir essa cessão desde que a Pesca saiu da Agricultura para a Indústria e Comércio, mas ficamos felizes em saber que conseguimos garantir essa cessão de olho no desenvolvimento econômico do Estado”, explicou.
O terminal pesqueiro está com as obras 95% concluídas. As obras foram paralisadas em 2011 após indícios de irregularidades e não foram retomadas por falta de orçamento. A estimativa é que o terminal gere cerca de 2.700 empregos formais e até 6 mil em toda a cadeia produtiva.O valor final da obra é cotado em R$ 36,6 milhões. O Terminal Pesqueiro de Natal terá capacidade de armazenar mais de 100 toneladas de peixes.

Valério relatou financiamentos para Aécio e desvios de contratos dos Correios para PT e PMDB

O publicitário Marcos Valério fecha acordo de delação com a PF (Foto: Arquivo/Agência Brasil)
O PUBLICITÁRIO MARCOS VALÉRIO FECHA ACORDO DE DELAÇÃO COM A PF (FOTO: ARQUIVO/AGÊNCIA BRASIL)

Depois de ter sua proposta de delação rejeitada pelo Ministério Público Estadual de Minas Gerais (MP-MG), o operador do mensalão Marcos Valério Fernandes fechou um acordo de colaboração premiada com a Polícia Federal (PF). Por citar políticos com foro privilegiado, o acordo aguarda a homologação do Supremo Tribunal Federal (STF). A informação foi antecipada na quarta-feira (19) pelo site do GLOBO.

O delator relatou bastidores de operação para retirar da CPMI dos Correios, em 2005, documentos sobre a relação do Banco Rural com tucanos em Minas, tema que já é alvo de inquérito no STF, motivado por delação do ex-senador Delcídio Amaral. A operação teria contado com a participação dos então subrelatores da CPMI Carlos Sampaio (PSDB-SP) e Eduardo Paes (à época no PSDB-RJ). Integrantes do Banco Rural teriam escondido documentos no Uruguai.

Relação com Aécio desde anos 1990

Resultado de imagem para Neves Lula e temerEm seu acordo, que está sob sigilo, Valério fala também sobre o uso de mecanismos de desvio para PT e PMDB em contratos dos Correios no governo Lula, e de publicidade estatal no governo Aécio Neves em Minas Gerais (2003-2005). Relata também detalhes do que afirma ser o caixa paralelo montado por suas agências de publicidade para operar desvios durante o governo Fernando Henrique Cardoso (1994-2002), em contratos do Banco do Brasil, da Fundacentro e da Eletrobras.

Segundo o delator, valores desviados de contrato dos Correios na gestão petista eram acertados com o então ministro de Comunicações Hélio Costa e o diretor comercial da estatal, Carlos Fioravante. Então chefe da Casa Civil, José Dirceu seria beneficiário de uma mesada de R$ 50 mil.

No acordo, Valério sustenta que suas agências de publicidade participaram do financiamento ilegal da atividade política de Aécio desde os anos 90. Afirma que o tucano recebia 2% do faturamento bruto dos contratos do Banco do Brasil no governo FH, valores que seriam pagos por meio de Paulo Vasconcelos, citado como representante de Aécio junto à empresa.

Valério também sustenta que parte dos recursos desviados da campanha pela reeleição de Eduardo Azeredo (PSDB-MG), em 1998 — no processo que ficou conhecido como mensalão mineiro — abasteceu caixa 2 da campanha de Aécio a deputado federal.

Depoimentos levados ao STF

Os depoimentos de Valério à PF foram gravados e levados ao STF com documentação que supostamente provaria suas alegações. A primeira versão tinha 60 anexos e foi entregue em fevereiro deste ano à Promotoria de Defesa do Patrimônio Público de BH. Na época, o órgão informou não haver interesse em aceitar a delação. Na negociação com a PF, Valério apresentou detalhes sobre desvios operados sob sua influência, ampliando os temas da delação inicial.

O operador cumpria pena de 37 anos de prisão pela ação do mensalão na Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem (MG), e foi transferido na segunda-feira para a Associação de Proteção e Assistência a Condenados (Apac), em Sete Lagoas (MG), a pedido da PF. A transferência para a unidade — que propõe atendimento humanizado de presos e tem vagas limitadas — era solicitada desde o ano passado por seus advogados, mas não havia vagas.

O juiz de Contagem Wagner de Oliveira Cavalieri autorizou a transferência e destacou que Valério é “possuidor de inúmeras informações de interesse da Justiça e da sociedade brasileiras”, motivo pelo qual seria “inegável o interesse público em suas declarações sobre fatos ilícitos diversos que envolvem a República”. Segundo ele, “em que pese a existência de formalidades e fila para a transferência de presos para o sistema Apac (…) o interesse público se sobrepõe aos interesses individuais”.

Outro lado

A assessoria de Aécio informou que o senador “jamais participou de qualquer ato ilícito praticado por Valério” e negou que ele tivesse financiado o tucano por meio das agências. Segundo a nota, “é preciso que acusações feitas por delatores sejam sustentadas por provas verdadeiras, sob o risco de servirem, unicamente, para que réus confessos obtenham a impunidade penal”. Advogado de Aécio, Alberto Toron classificou as acusações como “falsas e absurdas” e disse que Aécio interrompeu os contratos com as agências quando o escândalo do mensalão estourou.

Ex-diretor dos Correios, Carlos Fioravanti informou não ter tratado de contratos de marketing. Hélio Costa não foi localizado. O advogado de Dirceu, Roberto Podval, negou os pagamentos e disse que “a credibilidade deste delator é absolutamente vazia”. Eduardo Paes e Carlos Sampaio negaram ter participado de operação para esconder documentos. Segundo Paes, Valério é um “delinquente e safado que conta histórias que ‘ouviu dizer’”. Em viagem à Europa, Fernando Henrique não foi localizado para comentar.

Homologação

A delação de Marcos Valério é a segunda negociada com a Polícia Federal a ser encaminhada ao Supremo Tribunal Federal (STF), que ainda não decidiu se a PF pode firmar acordos de colaboração. Repousa desde o início do ano no gabinete do ministro Edson Fachin, o pedido de homologação da delação do marqueteiro Duda Mendonça, assinada com a Polícia Federal em Brasília.

Ministério Público e PF divergem sobre o tema. A Procuradoria-Geral da República (PGR) reclamou no Supremo considerar a participação da polícia inconstitucional. Para o órgão, cabe ao MP acompanhar a ação penal da investigação até a sentença e, à polícia, cuidar do inquérito. Para os procuradores, apenas o MP pode fazer a acusação criminal e negociar penas.

A PF sustenta que a lei 12.850/2013, que regula as colaborações, prevê a possibilidade de que a polícia firme acordos. Para delegados, trata-se de ferramenta a auxiliar na obtenção de prova e desestruturação de grupo criminoso, um trabalho da polícia. Os envolvidos no acordo de Valério torcem para que o caso seja analisado pela ministra Cármen Lúcia durante o plantão judicial. Ontem, a PGR disse que “não comenta eventuais acordos de colaboração”.

 

Fonte:http://epocanegocios.globo.com/Brasil/noticia/2017/07/valerio-relatou-financiamentos-para-aecio-e-desvios-de-contratos-dos-correios-para-pt-e-pmdb.html

Reações internacionais não fazem Maduro mudar de plano

Venezuela’s President Nicolas Maduro speaks during a meeting with members of the Defense Council of the Nation in Caracas
Maduro: quer eleger uma Assembleia Constituinte para substituir o Parlamento de maioria oposicionista (Miraflores/Reuters)

O plano do regime chavista de eleger uma Assembleia Constituinte, no dia 30, para substituir o Parlamento de maioria oposicionista e garantir sua permanência no poder sem eleições livres, está causando reações internacionais mais concretas.

O presidente Donald Trump ameaçou impor sanções contra a Venezuela se o governo seguir adiante com esse plano. A Espanha propôs à União Europeia (UE) que faça o mesmo e a Alemanha pediu que o presidente Nicolás Maduro volte atrás, assim como já havia feito a vizinha Colômbia.

“Os Estados Unidos não ficarão de braços cruzados enquanto a Venezuela desmorona”, declarou Trump em um comunicado. “Se o regime de Maduro impuser sua Assembleia Constituinte no dia 30 de julho, os Estados Unidos adotarão ações econômicas fortes e imediatas.”

Em reunião do Conselho de Ministros de Relações Exteriores da UE em Bruxelas, o chanceler espanhol, Alfonso Dastis, pediu na segunda-feira que o bloco discuta a possibilidade de impor sanções contra o governo venezuelano, se for realizada a Constituinte. Dastis qualificou a aprovação de uma nova Constituição, nos moldes pretendidos por Maduro, de um passo de “difícil retorno”.

O presidente venezuelano determinou que metade das 500 cadeiras da nova Assembleia seja preenchida por representantes dos conselhos comunais, controlados por seu Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV). Maduro decretou que o “primeiro ato” da Constituinte será instalar uma “Comissão da Verdade”, presidida pela ex-ministra das Comunicações Delcy Rodríguez, que ele chamou de “tigre” por sua feroz defesa do socialismo. A comissão investigará o “terrorismo”, que é como o presidente se refere à oposição.

Além disso, o propósito da nova Constituição é instituir um “Estado comunal”, no qual serão incorporados órgãos paralelos criados pelo chavismo, como os “coletivos”, milícias que defendem o regime, e as “missões”, agências de doutrinação e de trabalhos sociais.

Desde que perderam as eleições para a Assembleia Nacional, em dezembro de 2015, os chavistas têm evitado consultas populares. O Conselho Eleitoral, controlado pelo regime, impediu a realização de um referendo revogatório do mandato de Maduro, que levaria a nova eleição presidencial. Não foram realizadas as eleições estaduais que pela lei deveriam ter ocorrido em dezembro, e não há previsão para as eleições municipais, que deveriam acontecer neste ano.

Uma porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Alemanha disse que o presidente venezuelano deveria rever o plano da Constituinte, depois do plebiscito promovido no domingo pela oposição, no qual mais de 7 milhões de eleitores votaram contra a sua convocação, pela realização de novas eleições e formação de um governo de união nacional, pediram que os militares protejam a Constituição vigente e sejam acatadas as decisões da Assembleia Nacional, que o Tribunal Supremo de Justiça, controlado pelos chavistas, anula sistematicamente.

“Do nosso ponto de vista, o plebiscito expressou claramente a vontade do país”, disse a porta-voz Maria Adebahr. “Embora o resultado não seja juridicamente vinculante, deve levar o presidente Maduro a rever a Constituinte.” A porta-voz acrescentou que a embaixada alemã em Caracas está em contato com representantes da oposição.

O chanceler venezuelano, Samuel Moncada, escolheu responder aos Estados Unidos, principal alvo do regime desde os tempos do ex-presidente Hugo Chávez, que morreu em 2013. “A Constituinte segue adiante”, assegurou Moncada. “Hoje o povo venezuelano é livre e responderá unido ante a insolente ameaça feita por um império xenófobo e racista.”

O chanceler acrescentou que, por instrução do presidente, o governo venezuelano está fazendo uma “revisão profunda” das relações com os EUA. “Não aceitamos humilhações de ninguém.”

Contra os vizinhos 

Moncada também anunciou que o governo declarou “persona non grata” os quatro ex-presidentes que atuaram como observadores no referendo de domingo da oposição: Jorge Quiroga, da Bolívia, Andrés Pastrana, da Colômbia, Laura Chinchilla e Miguel Rodríguez, ambos da Costa Rica.

O mesmo destino pode ter o atual presidente colombiano, Juan Manuel Santos. Ele se reuniu na segunda-feira com o ditador cubano, Raúl Castro, e, segundo o jornal inglês Financial Times, pediu que o ajude a mediar um processo de paz na Venezuela.

 

Fonte:http://exame.abril.com.br/mundo/o-cerco-a-maduro-cresce-mas-adianta/

Brasil: mais uma vez o povo paga a conta

O presidente Michel Temer anda na contra-mão dos anseios do povo brasileiro. Com uma reprovação que chega a 90% de rejeição o peemedebista vai aumentar os impostos para engrandecer a arrecadação. Resta ao cidadão brasileiro ficar de olho em que vota contra o povo, e em cada Estado não reeleger deputados federais e senadores que votam contra o interesse da nação.

Em.com,br

Com arrecadação menor, governo apela para aumento de imposto

Resultado de imagem para Meirelles
Cedoc/RAC

Brasília, 20 – O presidente Michel Temer decidiu aumentar impostos para fechar as contas deste ano, apesar da crise política e de sua baixa popularidade. O governo já bateu o martelo pela elevação da alíquota do PIS/Cofins que incide sobre combustíveis e não depende do aval do Congresso. A medida pode entrar em vigor imediatamente por meio de um decreto.

Nos cálculos da área técnica do governo, cada R$ 0,01 de aumento na alíquota do PIS/Cofins sobre a gasolina resulta em uma arrecadação anual de R$ 440 milhões. No caso do diesel, a receita é de R$ 530 milhões.

A decisão sobre o aumento do imposto veio com a identificação de um buraco de aproximadamente R$ 10 bilhões para garantir o cumprimento da meta estipulada este ano em R$ 139 bilhões. Segundo fontes, boa parte desse buraco terá de ser coberta por meio da elevação da carga tributária. Ao longo do dia, o governo chegou a cogitar a possibilidade de aumentar outro tributo. As alternativas seriam a alíquota de IOF sobre o câmbio ou operações de crédito e a elevação da Cide sobre combustíveis. No fim da noite, fontes afirmaram que o aumento do IOF estava descartado. A decisão será anunciada hoje pelo ministro da Fazenda, Henrique Meirelles.

Além da queda na arrecadação, o governo foi obrigado a incluir despesas como o risco de calote do Fies, financiamento estudantil, que antes não entravam na contabilidade oficial.

Embora tenha dito diversas vezes não ter intenção de elevar tributos, a avaliação no Planalto é de que, como as receitas previstas pela área econômica não se confirmaram, um aumento de R$ 0,10 no preço do litro da gasolina não teria grande impacto no bolso do consumidor e ainda ajudaria as contas públicas. O impacto dessa elevação do imposto na inflação seria amenizado porque a gasolina tem sofrido seguidas reduções de preço.

Fontes do governo reconheceram que elevar o tributo é uma medida difícil, mas pior seria não cumprir a meta.

A área técnica da Fazenda também trabalhava com a possibilidade de ainda ter de fazer um novo corte de despesas do Orçamento, embora pequeno, e trabalhava para evitar esse caminho. Com o corte de R$ 39 bilhões, atualmente em vigor, ministérios e órgãos enfrentam dificuldade em manter a máquina funcionando. Além disso, os técnicos buscavam receitas extras, mas esbarravam na necessidade de ter de dar explicações ao Tribunal de Contas da União (TCU).

Como uma elevação do PIS é imediata, e a da Cide exige 90 dias para entrar em vigor, o governo pode optar em fazer movimento conjugado: aumenta o PIS temporariamente até a tributação da Cide entrar em vigor – estratégia que já foi adotada.

O PIS/Cofins do etanol também pode ser elevado. O preço do açúcar em Nova York disparou ontem e um dos motivos apontados por analistas foi a possibilidade do aumento maior para o tributo que incide sobre a gasolina, o que garante a competitividade do etanol frente à gasolina. O setor ontem esperava uma alta de 11% no PIS da gasolina. A alíquota de R$ 0,67 iria para R$ 0,75. As informações são do jornal

O Estado de S. Paulo.

(Adriana Fernandes; Tânia Monteiro)

Em clima de desconfiança, Temer viaja e deixa Maia na Presidência

Temer e Maia
Temer e Maia: o presidente da Câmara se distanciou de Temer nas últimas semanas (Adriano Machado/Reuters)

Brasília – Com a viagem de Michel Temer nesta quinta-feira, 20, para a Argentina, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), assumirá o Palácio do Planalto até sexta-feira, 21.

A relação entre os dois anda estremecida desde que a denúncia por corrupção passiva contra o peemedebista chegou  chegou à Câmara, no fim de junho.

Primeiro na linha sucessória, Maia se distanciou de Temer nas últimas semanas. No início de julho, na semana que antecedeu a votação na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e em que o nome do democrata começou a ser aventado como alternativa a Temer, Maia viajou para fora do País e evitou assumir o Palácio do Planalto durante a viagem do presidente à reunião do G-20, para Alemanha.

Nesta quinta-feira, o presidente da Câmara vai permanecer no Brasil, mas talvez embarque para o Rio. Das outras vezes em que assumiu a Presidência, Maia chegou a despachar do gabinete de Temer.

Mal-estar

O último foco de atrito entre os dois aconteceu esta semana, depois de Temer tentar atrair para o PMDB parlamentares do PSB que negociam a migração para o DEM.

Para desfazer o clima de desconfiança, o presidente jantou na terça-feira com Maia e outros parlamentares na residência oficial da presidência da Câmara.

Nesta quarta-feira, os dois tiveram um novo encontro no Palácio do Planalto. A interlocutores, Maia chegou a se queixar de falta de “lealdade” do governo.

 

Fonte:http://exame.abril.com.br/brasil/em-clima-de-desconfianca-temer-viaja-e-deixa-maia-na-presidencia/

Réu na Lava Jato diz a Moro ter intermediado negociação de propina a políticos do PMDB

Jorge Luz, acusado de ser operador do PMDB no esquema de corrupção descoberto na Petrobras,afirmou nesta quarta-feira (12) que houve um acordo para que políticos da legenda apoiassem diretores da Petrobras no cargo em troca de vantagem indevida. Segundo Luz, ele intermediou as negociações que chegaram a R$ 11,5 milhões.

Ao ser questionado pelos próprios advogados, Jorge Luz disse que sabia quem eram os políticos que receberiam as vantagens indevidas da Petrobras.

“Inclusive participei da reunião de agradecimento. Inclusive o Fernando [Baiano] disse aqui que ao final o Jader o seguinte: ‘Vocês cumpriram o papel de vocês, agora o problema é nosso’. Jader Barbalho, Renan Calheiros, Anibal Gomes, Silas Rondeau, esses são os agentes políticos”, afirmou Luz.

Esta audiência faz parte do processo ligado à 38ª fase da Operação Lava Jato, batizada de Blackout. A ação investiga o pagamento de propinas na contratação e operação de dois navios-sondas da Petrobras. Jorge Luz e o filho dele, Bruno Luz, são réus no processo e estão presos na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba.

“O apoio se traduziria numa ajuda financeira e se traduziria também na oportunidade que esses políticos pudessem participar de algumas operações que viessem a surgir”, disse Jorge Luz. Segundo ele, Fernando Baiano representava os diretores, e Anibal Gomes os políticos.

Fernando Baiano foi condenado em processos da Lava Jato como crimes como lavagem de dinheiro e corrupção passiva. Ele foi apontado pela força-tarefa da opoeração como um dos intermediadores de propina no esquema da Petrobras.

De acordo com Luz, em determinado momento houve um desgaste entre Fernando Soares e Anibal Gomes. A partir deste momento, Luz afirmou que passou a ser intermediário na recepção das contas que o Anibal passava.

Outro lado

Procurado, o senador Jader Barbalho em nota que nunca fez negócios com Jorge Luz. “O senador diz que as declarações do criminoso devem ser averiguadas pela Justiça. Também diz que conhece Jorge Luz, mas jamais fez qualquer tipo de negócio com ele”, diz a nota.

Também em nota, Renan Calheiros disse que conheceu Jorge Luz, mas não mantém contato com ele. “O senador Renan afirma que conheceu Jorge Luz há mais de 20 anos e desde então nunca mais o encontrou ou falou com ele. Diz ainda que não conhece nenhum dos seus filhos. Há 20 dias, o senador prestou depoimento ao juiz Sergio Moro como testemunha de Luz e reafirmou que a citação a seu nome é totalmente infundada”, afirma o texto.

O deputado Aníbal Gomes disse que, apesar de conhecer Jorge Luz, não mantinha relação próxima com ele. “Desconheço totalmente esse tipo de acordo. Li a informação na imprensa, mas desconheço tudo isso que foi dito. Conheci o Jorge Luz, mas nunca tive intimidade com ele, muito menos negócios. Nunca”, afirmou.

Até a última atualização desta reportagem, o G1 ainda tentava contato com o ex-ministro de Minas e Energia, Silas Rondeau.

Outra citação

Os senadores Renan Calheiros e Jader Barbalho foram citados anteriormente pelo colaborador da Operação Lava Jato Felipe Parente. O empresário e advogado afirmou que entregou propina para Calheiro e Barbalho.

Parente foi citado pela primeira vez nas investigações da Lava Jato pelo ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado, outro colaborador da operação. Segundo Machado, o empresário era encarregado de levar propina para a cúpula do PMDB. Em troca, de acordo com o ex-presidente da estatal, Parente recebia 5% dos valores transportados.

Fonte:http://g1.globo.com/pr/parana/noticia/reu-na-lava-jato-diz-a-moro-ter-intermediado-negociacao-de-propina-a-politicos-do-pmdb.ghtml

PEN realiza encontro para discutir eleições 2018 no Seridó

O Partido Ecológico Nacional (PEN) realiza no próximo dia 27 de julho o 1º Encontro Regional do Seridó para começar a discutir a participação do partido nas eleições de 2018.
O presidente estadual do PEN, Luiz Gomes, explicou que o evento vai nortear o futuro do partido e contará com representantes de todos os municípios da região. “Esse evento é importante para o PEN, porque mostra que o partido sai na frente discutindo o próximo pleito, mas sempre escutando a população”, pontuou.
O evento será realizado na Câmara Municipal de Caicó, a partir das 9h. Durante o Encontro Regional, também serão eleitos os presidentes do PEN Jovem e do PEN Mulher.

Vereador após ser picado por Cascavel mata a cobra com mordida.

Na notícia exibida no site paraiba.com.br,19, um vereador mostrou que um político pode ter mais veneno do que uma cobra Cascavel. Pois num é que, ao ser picado pela serpente, o vereador Álvaro Teixeira (PSB), de 36 anos, danou uma mordida na cabeça da cobra e a matou. O caso inusitado ocorreu no dia 13 deste, no município de Juru, no Sertão paraibano. O vereador foi internado, mas recebeu alta no dia 17.

“Senti a fisgada na perna. Quando olhei, era uma cascavel. Daí eu peguei e mordi ela, porque eu fiquei com muita raiva na hora, foi instinto”, contou o vereador.

Augusto Campos, fundador do PT e da CUT, morre aos 75 anos

Augusto Campos era líder sindical e responsável pelo Novo Sindicalismo de 1970 (Foto: Divulgação/Sindicado dos Bancários)
Augusto Campos era líder sindical e responsável pelo Novo Sindicalismo de 1970 (Foto: Divulgação/Sindicado dos Bancários)

O corpo do bancário e sindicalista Antônio Augusto de Oliveira Campos, morto aos 75 anos, vítima de câncer, é velado em Santos, no litoral de São Paulo, nesta quarta-feira (19). O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, com quem ajudou a fundar a corrente chamada de ‘Novo Sindicalismo’, em 1970, esteve na cidade para se despedir do amigo.

Augusto Campos, como era conhecido, vivia em Santos há 12 anos junto com a mulher Maria Lúcia Mathias, também ex-dirigente sindical. Segundo a viúva, há pelo menos quatro anos ele lutava contra um câncer no fígado, mas morreu na terça-feira (18), em São Paulo (SP), onde estava internado em um hospital para tentar conter a doença.

O sindicalista foi presidente do Sindicato dos Bancários de São Paulo na década de 1970, trabalhou no Banespa e também foi vereador pelo PT na capital paulista entre 2001 e 2004. Com Lula, ele é apontado como um dos fundadores do Partido dos Trabalhadores (PT) e da Central Única dos Trabalhadores (CUT).

Fonte: http://g1.globo.com/sp/santos-regiao/noticia/augusto-campos-fundador-do-pt-e-da-cut-morre-aos-75-anos.ghtml

Com suspeições no TJRN, julgamento de deputado afastado vai ao STF

Deputado Ricardo Motta nega envolvimento com fraudes no Idema (Foto: Eduardo Maia/ALRN)
Deputado Ricardo Motta nega envolvimento com fraudes no Idema (Foto: Eduardo Maia/ALRN)

O Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte vai destinar ao Supremo Tribunal Federal o julgamando do recurso do deputado estadual afastado Ricardo Motta (PSB). Ele está proibido de exercer atividade parlamentar na Assembleia Legislativa Estadual desde 8 de junho, por decisão do desembargador Glauber Rêgo.

A análise do plenário do TJ sobre o caso estava marcada para esta quarta-feira (19), mas não houve número mínimo de desembargadores para votar. Dos 15 magistrados, oito se declararam suspeitos.

Na sessão anterior, quarta (12), os desembargadores Amaury Moura, Judite Nunes, Cláudio Santos, João Rebouças, Saraiva Sobrinho, Virgílio Macedo e o presidente Expedito Ferreira haviam alegado suspeição. Na ocasião, o TJRN decidiu convocar um juiz para garantir o quórum mínimo de 9 julgadores na sessão seguinte.

Foi sorteado o juiz Alceu José Cicco, que compareceu à sessão desta quarta (19). Porém o desembargador Dilermando Motta também alegou suspeição e cancelou a votação pela segunda vez. Com isso, foi decidido que o caso será remetido ao STF. Para votação é necessário ter metade mais um dos juizes: um total de nove.

Ficaram aptos a votar apenas os desembargadores Vivaldo Pinheiro, Amílcar Maia, Zeneide Bezerra, Ibanez Monteiro, Glauber Rêgo, Gilson Barbosa, Cornélio Alves e o juiz Alceu José Cicco.

Por enquanto, Motta continua afastado. Não há prazo para julgamento do Supremo.

Afastamento

Além de afastado do cargo por 180 dias, Motta foi proibido de acessar a sede do Legislativo pelo mesmo período, bem como manter contato com testemunhas de acusação e com os colaboradores que firmaram acordo com o Ministério Público. O parlamentar também não podia deixar Natal por mais de 15 dias sem avisar à Justiça. Ele continua recebendo salário.

O deputado foi denunciado pelo Ministério Público do Estado após a Operação Candeeiro, que desbaratou uma suposta quadrilha que desviou R$ 19 milhões do Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente (Idema). Desse total, o deputado teria ficado com a maior parte: R$ 11 milhões.

O Ministério Público fez o pedido pelo afastamento para garantir a “ordem pública” e para facilitar as investigações. Ele foi acatado pelo desembargador, que reforçou que isso não significa uma antecipação do julgamento do mérito.

Na decisão, o relator do processo observa que: “no caso concreto, considero que foram demonstrados a materialidade e os indícios da autoria delitiva e/ou de participação do Deputado investigado (fumus comissi delicti) no esquema de desvio de verbas públicas no âmbito do Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente – Idema, que importou no gigantesco prejuízo ao erário estadual de mais de R$ 19.000.000,00 (dezenove milhões de reais), mediante liberação de pagamentos, por meio de ofícios, cujas despesas correlatas inexistiam, e que supostamente foi o beneficiário de uma quantia aproximada de R$ 11.000.000,00 (onze milhões de reais), representando 60% (sessenta por cento) dos valores rastreados na operação Candeeiro”. Segundo a denúncia, Motta recebia o dinheiro em mãos e em espécie.

A defesa do deputado argumentou que a medida requerida pelo Ministério Público abrangia fatos anteriores à atual legislatura e é única e exclusivamente baseada na palavra de delator Gutson Reinaldo Giovanny, ex-diretor administrativo do Idema.

Fonte:http://g1.globo.com/rn/rio-grande-do-norte/noticia/com-suspeicoes-no-tjrn-julgamento-de-deputado-afastado-vai-ao-stf.ghtml

Pleitos de Ezequiel na Segurança contemplam municípios de várias regiões

Brejinho, Ceará Mirim, Coronel Ezequiel, Angicos, Barcelona, Bom Jesus, Campo Redondo e Canguaretama são alguns dos municípios contemplados com pleitos do presidente da Assembleia Legislativa, deputado Ezequiel Ferreira (PSDB), para melhoria da Segurança Pública.

“É importante os municípios serem dotados de condições estruturais para que possam combater a criminalidade e oferecer segurança aos cidadãos, a fim de que a população possa ter a tranquilidade restabelecida no seu dia-a-dia”, afirmou o parlamentar.

Os pleitos são relativos a reforma de delegacia, aumento do efetivo e aquisição de novas viaturas. Para Brejinho foram solicitados aumento do efetivo policial e reforma da delegacia; no caso de Ceará Mirim os requerimentos contemplam novas viaturas e aumento do efetivo.

Nas cidades de Campo Redondo, Barcelona e Canguaretama os pleitos são aquisição de viaturas e aumento do efetivo; para Coronel Ezequiel aumento do efetivo, viatura e também a reforma da delegacia. No caso de Bom Jesus, o deputado Ezequiel Ferreira está solicitando o aumento do efetivo. Os pleitos para a cidade de Angicos dizem respeito à melhoria da estrutura física da Segunda Companhia de Polícia Militar e o aumento do efetivo.

PF aponta indícios de corrupção e favorecimento de empresa no TCU

Ministros do Tribunal de Contas da União (TCU) Raimundo Carreiro (à esq.) e Aroldo Cedraz. FOTO: DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

Brasília – A Polícia Federal apontou indícios de que o presidente do Tribunal de Contas da União (TCU), Raimundo Carreiro, e o também ministro da corte Aroldo Cedraz fariam parte de um esquema de corrupção para favorecer a empreiteira UTC em um processo relacionado às obras da usina de Angra 3 no tribunal de contas.

Em relatório conclusivo sobre a investigação, a delegada Graziela Machado da Costa e Silva sustenta que as provas colhidas corroboram declarações de cinco delatores da Operação Lava Jato que mencionaram pagamento ao advogado Tiago Cedraz, filho de Aroldo Cedraz, para que conseguisse influenciar o julgamento do caso.

Raimundo Carreiro informou que vem prestando “todos os esclarecimentos solicitados”. Aroldo Cedraz reiterou “sua total isenção, já demonstrada ao longo de 11 anos de atuação como magistrado”. Tiago Cedraz não se manifestou (mais informações nesta página).

O inquérito da PF lista documentos e mensagens que indicariam a atuação de Tiago em suposto tráfico de influência perante ministros do tribunal entre 2012 e 2014. Para a PF, não havia diferença entre as atividades de Aroldo Cedraz e Tiago, que se valeria “do poder do pai e das suas relações no TCU” para viabilizar interesses.

As conclusões foram enviadas à Procuradoria-Geral da República, que decidirá sobre eventual denúncia contra Carreiro, Aroldo e Tiago Cedraz.

O inquérito sobre corrupção no TCU foi instaurado em 2015, depois que o acionista da UTC, Ricardo Pessoa, que fez delação, declarou que fazia pagamentos a Tiago para obter informações privilegiadas da corte. Ele e Walmir Pinheiro, ex-diretor financeiro da empreiteira, também colaborador, relataram que o advogado teria pedido R$ 1 milhão para conseguir que o TCU liberasse, em 2012, a licitação para a montagem eletromecânica da usina.

Com a decisão, o contrato foi assinado em 2014, ano em que o montante teria sido repassado, em espécie, ao advogado, segundo os relatos. Os delatores Luiz Carlos Martins, da Camargo Corrêa, Gustavo Botelho, da Andrade Gutierrez, e Henrique Pessoa Mendes, da Odebrecht, disseram que a operação para “comprar” votos no tribunal de contas foi discutida em reuniões entre representantes das empreiteiras do consórcio que venceu as obras. Este último admitiu a que a Odebrecht contratou uma sobrinha de Carreiro como “agrado” ao ministro.

Ligações

A quebra de sigilos dos investigados mostrou que, de 2012 a 2014, houve 14.321 ligações entre telefones vinculados a Tiago e seu escritório e terminais do pai e de seu gabinete. No caso de Carreiro e equipe, a PF cita “centenas” de ligações. O aparelho registrado em nome do assessor Maurício Lockis, que teria elaborado o voto de Carreiro favorável à UTC, foi o que mais recebeu contatos (271), sendo 112 em 2012, ano do julgamento.

De 2012 a 2014, houve ainda 75 contatos feitos entre aparelhos atribuídos a Carreiro e de Luciano Araújo, apontado como emissário de Tiago para buscar dinheiro na UTC. Araújo é primo de Tiago e tesoureiro do partido Solidariedade. Conforme a PF, haveria uma atuação “clandestina” de Tiago nos gabinetes dos ministros.

“Manipulação”

A postura dos ministros nos julgamentos, segundo os investigadores, aponta ainda indícios de manipulação. Carreiro foi relator do caso e contrariou pareceres da área técnica para liberar a licitação de Angra, após o julgamento ser adiado algumas vezes.

Já Aroldo Cedraz, destaca a PF, pediu vista do processo quando o sistema do TCU já registrava que ele estava impedido para atuar no caso. Duas semanas depois, devolveu o processo e anunciou seu afastamento. “Foram colhidos indícios suficientes de que a articulação buscada por Ricardo Pessoa por meio de Tiago Cedraz surtiu efeito, quando analisamos ainda a dinâmica do andamento processual na corte de contas e o comportamento dos ministros Aroldo Cedraz e Raimundo Carreiro”, diz a PF.

Laudos da PF também apontaram que haveria atipicidades na movimentação financeira dos investigados. Entre 2012 e 2014, Carreiro recebeu créditos de R$ 568 mil sem comprovação de origem, segundo a PF. No caso de Cedraz, foram R$ 2 milhões. Os depósitos em espécie para Cedraz somaram R$ 311 mil. Um deles, de R$ 100 mil, ocorreu em 19 de novembro de 2013, mesma data de um pagamento indicado por Pessoa.

A PF diz ser “surpreendente” a evolução patrimonial de Tiago de 2011 a 2012, de R$ 11,9 milhões para R$ 20,8 milhões. Em 2014, ele adquiriu R$ 9,3 milhões em imóveis, incluindo um apartamento de quase R$ 3 milhões. A ascensão financeira de Tiago e a compra do apartamento foram reveladas pelA reportagem em 2015. Para a PF, “algumas transações de Tiago, como a disponibilidade de um bem de altíssimo valor em beneficio do pai, poderiam representar a ‘remuneração’ pela sua atuação em alguns processos”.

 

Fonte:http://exame.abril.com.br/economia/pf-aponta-indicios-de-corrupcao-e-favorecimento-de-empresa-no-tcu/