Archive for julho 4th, 2021

Governo federal que CPI que taxar de corrupto entrega mais 13,5 milhões de doses de vacinas contra Covid-19 aos estados nos últimos cinco dias

Foto: Divulgação – Aeroporto de Brasília

O Ministério da Saúde anunciou neste domingo (4) que concluiu a entrega de mais 13,5 milhões de doses de vacinas contra a Covid-19 aos estados nos últimos cinco dias.

A distribuição, que começou na quarta-feira (30), continha 3 milhões de doses da vacina da Janssen, 3,33 milhões de doses do imunizante da Pfizer e outras 7,15 milhões do produto da AstraZeneca/Fiocruz.

Até às 10h30 deste domingo, pelo menos 103.188.222 doses das vacinas contra a Covid-19 haviam sido aplicadas no Brasil. As informações são da CNN Brasil com base nas secretarias estaduais que divulgaram o balanço preliminar da vacinação.

Pelo menos 76,1 milhões de pessoas receberam a primeira dose de algum imunizante. Outros 27 milhões já tomaram duas doses ou a vacina da Janssen, de dose única.

É importante enfatizar que nem todos os estados e municípios divulgaram as informações sobre a campanha de imunização em sua totalidade. Por isso, o levantamento é preliminar e o número real pode ser maior.

CNN Brasil

Número de mortos por Covid-19 cai pelo 2º mês seguido no Brasil

Foto: reprodução/CNN Brasil

Depois de a pandemia de Covid-19 atingir um de seus piores momentos no Brasil, dados do Ministério da Saúde revelam que o número de mortes pela doença teve uma queda nos últimos dois meses. Em junho, 18 estados registraram queda nas mortes.

Em janeiro, o país registou quase 30 mil mortes por conta da Covid-19; em fevereiro, o número superou o do começo do ano e em março houve uma aceleração. Com isso, o Brasil registrou mais de 66 mil mortes por Covid-19. Em abril, o número continuou crescendo e houve um aumento para mais 82 mil mortes. Em maio, o país registrou uma queda e foi para 59 mil mortes. Em junho, o número caiu para 55 mil.

Em termos percentuais, o número de mortes pela doença aumentou 3% de janeiro para fevereiro; quase 120% de fevereiro para março; cerca de 24% de março para abril até chegar ao período em que a curva começou a cair. De abril para maio, a redução foi de 28% e de maio para junho, a redução foi de aproximadamente 6%.

Entre os dois últimos meses analisados, sete estados e o Distrito Federal registraram uma queda nas mortes e em seis estados, entre eles São Paulo, os indicadores mostraram que houve uma alta.

De acordo com a Info Tracker, platadorma desenvolvida pela USP (Universidade de São Paulo) e UNESP (Universidade Estadual Paulista), a taxa de contágio no Brasil está em 1,22%.

Embora o Ministério da Saúde aponte para uma queda nos óbitos, o Brasil registrou neste domingo (4) 830 mortes e 27.783 novos casos de Covid-19, segundo dados divulgados pela pasta, referentes às últimas 24 horas. Com a atualização, o país passou a ter 524.417 mortes e 18.769.808 de infectados pelo novo coronavírus.

Os números da pandemia levam o Brasil a recordes mundiais em relação à doença. O país é o segundo no mundo em número de mortes, atrás apenas dos Estados Unidos, segundo a Universidade Johns Hopkins.

Já em número de contaminações, o Brasil ocupa a terceira colocação no ranking mundial, atrás dos Estados Unidos e da Índia.

Em âmbito nacional, seis estados brasileiros já ultrapassaram a marca de 1 milhão de contaminações: São Paulo, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Paraná, Bahia e Santa Catarina.

O Rio de Janeiro não lista entre os estados com mais de 1 milhão de casos, entretanto, é o segundo estado com mais mortes pela doença, com 56.031, atrás apenas de São Paulo, que soma 129.609 mortes.

Avanço na vacinação

Até o sábado (3), o país tinha aplicado um total 104 milhões de doses do imunizante: 71,9 milhões foram utilizadas como primeira dose, outras 24,4 milhões correspondem à segunda dose (que engloba AstraZeneca, Coronavac e Pfizer) e menos de 800 mil pessoas tomaram a vacina da Janssen, que é aplicada em dose única.

Para vacinar toda a população acima de 18 anos, são necessários, pelo menos, três vezes mais do que já foi aplicado até o momento. Só que, de acordo com o IBGE, há 160 milhões de brasileiros acima de 18 anos – ou seja, o país precisa de aproximadamente 330 milhões de doses para imunizar toda a população adulta.

Se os laboratórios cumprirem os prazos acordados com o Ministério da Saúde, que contratou 632,5 milhões de doses, em dezembro pode haver uma sobra de mais de 300 milhões de doses.

Até lá, talvez seja preciso vacinar os adolescentes entre 12 e 18 anos, provavelmente dar uma dose de reforço a idosos e profissionais de saúde ou guardar para 2022.

CNN Brasil

Covid: Natal começa a vacinar pessoas de 41 anos sem comorbidades e taxistas na segunda-feira (5)

Vacina contra Covid-19 — Foto: Reprodução/EPTV
Vacina contra Covid-19 — Foto: Reprodução/EPTV

Natal vai começar a vacinar pessoas de 41 anos de idade sem comorbidades e taxistas nesta segunda-feira (5),taxistas. Além disso, serão vacinados industriários com 31 anos.

Na terça-feira a capital vai iniciar a imunização de motoristas de aplicativos.

Para os motoristas de taxis, aplicativos e industriários, a vacinação é exclusivamente no drive do Sesi – nos outros pontos não há vacinação para esses grupos.

A documentação necessária, lista dos locais de vacinação, fila dos drives em tempo real e perguntas frequentes podem ser acessadas através do site https://vacina.natal.rn.gov.br/ .

A Secretaria de Saúde de Natal recomenda também que haja cadastro prévio no RN+ Vacina para facilitar o registro da aplicação do imunizante.

A SMS reforça ainda que as pessoas que tomaram a primeira dose do imunizante da Oxford/AstraZeneca há 85 dias devem procurar um dos pontos de vacinação para receber a segunda dose e completar o esquema vacinal.

G1RN

Aprovado requerimento de Francisco do PT adiando nomeação de integrantes da CPI da Covid

Por 13 votos a 10, o plenário da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte, acatou nesta quinta-feira (1), requerimento de autoria do deputado Francisco do PT, líder do Governo do RN na Casa Legislativa, adiando por cinco sessões a nomeação dos membros, fixação de data para reunião e eleição dos cargos de presidente e vice-presidente e designação de relatoria da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para fiscalizar contratos do governo do RN durante a pandemia da Covid-19. 
 
“Informo que teremos até cinco sessões para voltarmos a deliberar sobre essa matéria”, disse o presidente da Assembleia Legislativa, Ezequiel Ferreira (PSDB), ao encerrar a votação. O deputado estadual Francisco do PT solicitou, através de requerimento oral, com base no artigo 210, inciso 1º do Regimento Interno da Assembleia Legislativa, suspensão da escolha dos membros que irão integrar a CPI da Pandemia no âmbito da Assembleia Legislativa.
 
“Estou aqui exercendo um direito regimental, que nos garante, enquanto parlamentar, bancada e líder do Governo, que possamos nos utilizar desse expediente”, argumentou Francisco. O pedido de Francisco do PT foi questionado pelo deputado Getúlio Rêgo (DEM). “Estranha a movimentação do deputado Francisco ao dizer que houve intervenção de fora para dentro na Casa. Isso deixa claro que o Governo se preocupa com a instalação da CPI nesta Casa”, disse Getúlio Rêgo.
 
Para Getúlio Rêgo, na prática, o objetivo do requerimento do líder do governo é o adiamento dos trabalhos da Comissão Parlamentar de Inquérito – CPI da Covid – que visa investigar os atos do Governo do Estado durante o combate à pandemia do novo coronavírus com recursos do Governo Federal.
 
O deputado José Dias (PSDB) demonstrou surpresa com o pedido do parlamentar. “Estou há 35 anos aqui e durante todo esse tempo não vimos nenhum Governo fazer movimento como o que a administração estadual está fazendo, para a não instalação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito nesta Casa”, frisou.
 
Sobre o assunto o deputado Vivaldo Costa disse que a hora é de união e não de radicalismo. “Nós precisamos de uma trégua. Nós precisamos confiar na ciência. Temos que nos unir para enfrentar a pandemia que não acabou. Temos que nos unir para enfrentar uma seca que toma conta desse Estado, mas infelizmente o que vemos é um clima de radicalismo ideológico nesta Casa”, lamentou. Ainda se pronunciaram os deputados George Soares (PL), Isolda Dantas (PT), Eudiane Macedo (Republicanos) e Kelps Lima (SDD).

Campanha reforça importância do combate ao tráfico de pessoas e ao trabalho análogo à escravidão

Foto da Internet

Brasília (DF) – Com o objetivo de conscientizar a sociedade sobre a importância do combate ao tráfico de pessoas e ao trabalho análogo à escravidão, o Ministério Público do Trabalho (MPT) promove em julho campanha sobre o tema. Ao longo do mês, estão previstas publicações nas redes sociais, veiculação de três vídeos sobre o tema em aeroportos, websérie com debates, reportagens na Rádio MPT, divulgação de spots de rádio em português e espanhol, entre outras iniciativas. As ações fazem parte do Projeto Liberdade no Ar, do MPT, e contam com o apoio de diversas instituições e empresas.

Neste ano, a novidade da campanha é a sua expansão para terminais rodoviários espalhados por todo o país por meio da adesão da Sociedade Nacional de Apoio Rodoviário e Turístico Ltda. (Sinart), que veiculará vídeos de conscientização. A campanha ganhou, ainda, a adesão de empresas do setor aéreo como as concessionárias dos aeroportos internacionais de Fortaleza (Fraport), do Rio de Janeiro (RIOGaleão) e de Campinas (Aeroportos Brasil Viracopos). A Infraero, que fez parte da campanha em 2020, participará novamente neste ano. Também integram a campanha os aeroportos de Congonhas, em São Paulo, Santos Dumont, no Rio de Janeiro, e de Curitiba.

Entre as ações programadas está a segunda temporada da websérie “Tráfico de Pessoas no Brasil”, realizada pelo Projeto Liberdade no Ar do MPT e pela Associação Brasileira de Defesa da Mulher da Infância e da Juventude (Asbrad). Dividida em 18 episódios com debates e pílulas do conhecimento, a websérie tem início nesta quinta (1º), às 19h (horário de Brasília), e será exibida no canal da Asbrad no Youtube.

Serão abordados diversos enfoques sobre a temática, entre eles: trabalho doméstico; navios de cruzeiro; indústria pornográfica e exploração laboral; repressão ao crime transnacional; atendimento humanizado à pessoa trans; Projeto Mapear da Polícia Rodoviária Federal; o papel do setor financeiro no combate ao crime.

Participarão dos debates, entre outros, a trabalhadora doméstica resgatada em Patos de Minas (MG) Madalena Gordiano; o Frei Xavier Plassat, da Comissão Pastoral da Terra; os delegados da Polícia Federal Julio César Baida Filho e Joziel Brito de Barros; a promotora de Justiça do Ministério Público de Mato Grosso do Sul; a professora e influenciadora digital Daniele Boggione; a procuradora da República Ana Carolina Roman; os representantes da Organização Internacional do Trabalho Thaís Dumêt Faria e Erik Ferraz; o auditor-fiscal do Trabalho Magno Riga; o defensor público João Chaves; o jornalista Roberto Cabrini.

Certificação – Serão concedidos certificados digitais com 2 horas de atividades durante todos os dias de exibição da websérie. Para obter o certificado de participação do dia, as interessadas e os interessados deverão realizar cadastro por meio de QR code disponibilizado no chat do Youtube durante a transmissão ao vivo. Aqueles que receberem, pelo menos, 14 certificados de participação, poderão convertê-los em um certificado único de Curso de Inverno emitido pela Clínica de Trabalho Escravo e Tráfico de Pessoas da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Segundo a co-coordenadora da Clínica de Trabalho Escravo e Tráfico de Pessoas da UFMG, Lívia Miraglia, a websérie possui linguagem acessível e tem como público-alvo não só profissionais da área de Direito como também a sociedade em geral. “Esse é um tema de última ordem e uma preocupação enorme da OIT e da ONU tanto no mundo pandêmico como pós-pandêmico. A previsão é que, com a escalada da fome e da miséria, haverá um aumento significativo de trabalho escravo e de tráfico de pessoas e é dever de toda a sociedade lutar contra essas práticas no século 21”, afirmou Lívia Miraglia.

Além da certificação, a clínica foi responsável pelas pílulas do conhecimento presentes na websérie e vai divulgar em um dos episódios o resultado de pesquisa sobre a situação do trabalho escravo nas esferas trabalhista e criminal com base em dados de ações civis públicas ajuizadas pelo MPT e de processos criminais.

De acordo com a presidente da Asbrad, Dalila Figueiredo, “a webserie é uma ótima oportunidade para difundirmos conhecimentos e gerarmos debates com toda a sociedade. Os episódios foram pensados de acordo com as necessidades de compreensão da nossa sociedade”.

A primeira edição da websérie “Tráfico de Pessoas no Brasil” foi realizada em 2020. Ao longo de 20 episódios, a série de debates teve mais de 16 mil visualizações, com média de 200 participantes acompanhando simultaneamente tanto no Brasil como em países como México, Estados Unidos, Uruguai e Argentina.

Para mais informações sobre a iniciativa, acesse a página http://www.asbrad.org.br/webserie/.