Biden descarta envio de tropas para retirada de norte-americanos da Ucrânia

Segundo o democrata, quando ‘americanos e russos começam a disparar um contra o outro há uma guerra mundial’ / EFE/EPA/MICHAEL REYNOLDS

Com o aumento das tensões na fronteira entre Rússia Ucrânia, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, negou a possibilidade de enviar tropas para resgatar cidadãos norte-americanos do território ucraniano, no caso de uma invasão russa. Segundo o democrata, “quando americanos e russos começam a disparar um contra o outro há uma guerra mundial”. “Como faríamos isso? Como iríamos encontrá-los?”, questionou Biden em entrevista à emissora “NBC”, reforçando o apelo para que os cidadãos deixem o país europeu. “Os americanos devem sair agora. Estamos lidando com um dos maiores exércitos do mundo. As coisas podem se complicar rapidamente”, advertiu.

A Casa Branca aprovou um plano do Pentágono para que os soldados americanos na Polônia se preparem caso seja necessário ajudar na retirada de cidadãos na Ucrânia. No entanto, o governo Biden não contempla uma ação com envio de tropas para uma evacuação, como ocorreu no Afeganistão. Segundo dados do Departamento de Estado dos EUA, 6.500 cidadãos norte-americanos estavam na Ucrânia até outubro. Desde então, a tensão aumentou, o o que levou os governos russo e americano a se envolverem em uma batalha de propaganda. Moscou nega uma guerra com Kiev e diz não ameaçar a Ucrânia, enquanto Washington alerta que os russos podem atacar “a qualquer momento”.

*Com EFE

Jovem Pan