Cristiane Dantas solicita a retomada da patrulha Maria da Penha

A deputada estadual Cristiana Dantas (SDD) solicitou na sessão ordinária desta quinta-feira (27) na Assembleia Legislativa, a retomada da patrulha Maria da penha. A patrulha tem como objetivo: Garantir o cumprimento de medidas protetivas de urgência; atuar em consonância com a Rede de Atendimento à Mulher Vítima de Violência; realizar visitas semanais às mulheres vítimas de violência doméstica; orientar e esclarecer a vítima sobre os seus direitos; promover palestras de prevenção e orientação nas escolas do município.

“É necessário fazer esse apelo para chamar atenção da sociedade e dos movimentos feministas sobre essa inércia do governo do Estado. A secretaria das mulheres inclusive deveria ser a maior defensora dessa política; além da secretaria de segurança que tem o deve de executar”, disse a parlamentar.

Cristiane informou que em fevereiro desse ano estive por duas vezes reunida com o secretário estadual de segurança e defesa social, coronel Francisco Araújo e com o comandante geral da Polícia Militar, coronel Alarico Azevedo, dialogando sobre a urgência de retornar esse atendimento feito pela Polícia Militar em especial pela companhia de policiamento feminino. Segundo a deputada eles se comprometeram em buscar apoio para a retomada. “Mas até agora nada”, disse.

Segundo Cristiane Dantas, a patrulha foi interrompida por falta de policiamento. “Fui informada que a patrulha tinha parado por não ter policiais suficientes. Mas antes o número de policias era o mesmo. O que aconteceu foi que as policias femininas que executavam a patrulha foram retiradas para fazer a segurança da governadora. Eu sei que a governadora como todos os outros governadores precisam de segurança, mas isso não deveria ser motivo de acabar com a patrulha”, destacou a deputada.

Em aparte o deputado Coronel Azevedo (PSL) parabenizou a parlamentar pelo seu pronunciamento. “A senhora foi muito feliz, visto que estão previstos a convocação de novos policias e que essas vagas sejam ocupadas por mulheres”, disse.