Em sessão solene, Vivaldo Costa homenageia os 150 anos do seridoense Manoel Dantas

O deputado estadual Vivaldo Costa (PROS) homenageou nesta quarta-feira (26), em sessão solene no plenário da Assembleia Legislativa, os 150 anos do caicoense Manoel Gomes de Medeiros Dantas. Nascido em 26 de abril de 1867, foi advogado, juiz, educador, jornalista, político e precursor dos estudos de folclore no Rio Grande do Norte. Presidente da Academia Norte-rio-grandense de Letras, publicou trabalhos jurídicos, estudo sobre a origem dos nomes dos municípios potiguares e vários ensaios, reunidos após sua morte sob o título ‘Homens de Outrora’. Ele morreu em junho de 1924.

“Manoel Dantas foi um ilustre caicoense. Se a gente olhar a biografia dele a gente se anima com a fibra do povo do Seridó”, disse Vivaldo Costa em seu discurso como propositor da sessão. “Na minha visão ele era uma espécie de vulcão em ebulição permanente. Nós do Seridó temos o maior orgulho dele”, concluiu o parlamentar, lembrando que o homenageado era um homem de espírito público.

A visão futurista de Manoel Dantas também foi ressaltada pelo presidente da Academia Norte-rio-grandense, Diógenes da Cunha Lima, que fez um discurso de saudação. Ele lembrou que nos seus pouco mais de 50 anos de vida, falava em coisas que viriam a se concretizar como o trem que liga Paris a Londres por baixo do Canal da Mancha, a criação do Parque das Dunas em Natal, os hotéis construídos à beira-mar, e o crescimento de Natal para o outro lado do rio, onde chegaria gente vinda do interior. “Ele previa o futuro com grandeza”, disse Cunha Lima.

Representando o homenageado, falou o neto de Manoel Dantas, Edgar Ramalho Dantas, que lembrou sua origem familiar e a forma como ele conseguiu se destacar em todo o Rio Grande do Norte. “Embora ele morasse em uma fazenda, foi levado para uma escola de latim, o que permitiu que ele se tornasse poliglota”, contou Edgar. “O segredo de Manoel Dantas foi estudar, aprender e não deixar sua terra. O conhecimento que teve foi para aplicar aqui”, disse o neto do homenageado, que em seu discurso de improviso, contou histórias da vida do avô.

Presente à sessão solene, o jornalista Vicente Serejo também falou sobre o homem visionário que foi Manoel Dantas, que previu Natal “para daqui a 50 anos”. E contando histórias de seu caminho pela cultura, incluiu o homenageado na lista dos quatro “gênios” do Rio Grande do Norte: Manoel Dantas, Henrique Castriciano, Juvenal Lamartine e Câmara Cascudo.

Os deputados Getúlio Rêgo (DEM), Ricardo Motta (PSB), George Soares (PR), Albert Dickson (PROS), Souza Neto (PHS), Carlos Augusto Maia (PSD), Tomba Farias (PSB) e Fernando Mineiro (PT) também participaram do evento. A vereadora Eleika Bezerra (Livres), parente do homenageado, compôs a mesa.

 

Assessoria