Expectativa sobre Janaína Paschoal ser vice diminui, e Bolsonaro cita ‘50%’ de chance

O candidato a Presidência da República Jair Bolsonaro participa de palestra – Antonio Scorza / Agência O Globo  

RIO — Um dia após a convenção em que o PSL oficializou a candidatura de Jair Bolsonaro à Presidência, a expectativa de que a advogada Janaína Paschoal aceite a vaga de vice na chapa refluiu. Após palestra no Clube de Aeronáutica, no Centro do Rio, o presidenciável afirmou que, hoje, as chances de que ela tope a missão são de 50%.

A partir do fim da semana passada, a campanha passou a planejar um possível anúncio da parceria entre Bolsonaro e Janaína no domingo, na convenção. A advogada, no entanto, tem alegado questões familiares e ainda não se decidiu sobre o assunto. Ela não deu um prazo para a resposta e, enquanto o comando do PSL aguarda, outras possibilidades passaram a ser estudadas.

— Ela (Janaína) tem questões familiares, dois filhos que parece que não podem sair de São Paulo neste momento. Hoje, (a chance de aceitar) é de 50% — afirmou Bolsonaro.

O presidenciável minimizou o cenário caso Janaína não aceite o convite e lembrou que o senador Magno Malta (PR-ES) e o general da reserva Augusto Heleno Pereira (PRP) — que foram convidados, mas não se juntaram a Bolsonaro por entraves partidários — vão apoiá-lo mesmo sem estarem na chapa.

— Eu sou um felizardo. Vamos supor que a Janaína não queira: eu vou ter quatro vices — afirmou.

No domingo, após a convenção, o presidente nacional do partido, Gustavo Bebianno, havia demonstrado confiança é citado o patamar de 95% para as chances de uma chapa com Bolsonaro e Janaína. Na palestra, nesta tarde, o presidenciável afirmou que o partido abriu conversas com outros nomes. Dois novos cotados são o empresário Luciano Bivar, presidente licenciado do PSL, e o deputado federal Marcelo Álvaro Antônio (PSL-MG). Bolsonaro citou ainda a possibilidade de um militar da ativa integrar a chapa, mas sem citar nomes.

Durante a convenção, Janaína criticou o que chamou de “pensamento único” de parte do grupo político de Bolsonaro:

– Não se ganha a eleição com pensamento único. Não se governa uma nação com pensamento único. Essa parte é muito importante: os seguidores, muitas vezes, do deputado Jair Bolsonaro têm uma ânsia de ouvirem um discurso uniformizado. Pessoas só são aceitas quando pensam exatamente igual nas mesmas coisas. Reflitam se nós não estamos correndo risco de fazer um PT ao contrário. Minha fidelidade não é ao deputado Jair Bolsonaro, a quem externo todo meu respeito, a minha fidelidade é ao meu país.

Leia mais: https://oglobo.globo.com/brasil/expectativa-sobre-janaina-paschoal-ser-vice-diminui-bolsonaro-cita-50-de-chance-22912353#ixzz5MFZkVZI1
stest