Grupos pró e contra impeachment de Dilma Rousseff fazem atos em Natal

Em Natal, grupo festeja votação na Câmara Federal neste domingo (Foto: Anderson Barbosa/G1)
Em Natal, grupo festeja votação na Câmara Federal neste domingo (Foto: Anderson Barbosa/G1)

Manifestantes pró e contra impeachment ocuparam duas praças de Natal nesse domingo (17) para acompanhar a análise do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff no plenário da Câmara dos Deputados. O grupo que apoia o governo ocupou a praça da Árvore, em Mirassol, na Zona Sul. O que pede a saída da presidente estava na praça Cívica, em Petrópolis, Zona Leste.

Às 17h50, a Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (Sesed) anunciou que 1200 pessoas estariam na praça Cívica. Segundo os organizadores, são 2.500 manifestantes.

A Sesed divulgou também às 17h50 que 1500 pessoas estão na praça da Árvore. Os organizadores do ato contra o impeachment disseram, às 17h30, que são 5 mil pessoas na manifestação.

Após a definição pela continuação do processo do impeachment na Câmara Federal, Arthur Dutra, um dos organizadores do movimento Força Democrática, festejou a vitória. “Nossa bancada federal entendeu e atendeu o clamor do povo. Foi um momento de amadurecimento, com demonstração de tranquilidade e responsabilidade com a sociedade”, disse.

Para o professor João Marcelo Souza, este momento representa uma mudança no país. “Tomara que essa votação represente apenas o início de uma grande mudança política no Brasil. Mas a mudança tem ser ampla, definitiva, pelo fim da corrupção e moralização”, falou.

O universitário Luiz Henrique Gomes criticou a votação. “Fica a sensação de angústia pelo futuro do Brasil e do que vai acontecer com os direitos conquistados. É assustador ver como é o nível de debate na Câmara. Mas vamos continuar nas ruas porque o processo ainda vai para o Senado e mais do que nunca vamos discutir a reforma política”.

O deputado estadual Fernando Mineiro (PT) disse que o partido vai continuar lutando contra o impeachment. “Óbvio que sofremos uma derrota. Uma derrota dura, mas jamais será o fim da nossa luta. Amanhã o país continua e nós continuamos na batalha e nas ruas. Nós sabemos que quem saiu com a vitória hoje é violento e provocador. Não vamos cair em provocações, vamos seguir na luta em paz”.

No ato pelo impeachment, um trio elétrico começou a animar as pessoas às 15h45. Na manifestação contra o impeachmet, além do palco por onde passam as atrações, foram montados estandes vendendo comida e artesanato. Também estão acontecendo exposições fotográficas sobre a ditadura no RN.

Um efetivo de cerca de 450 profissionais extras, entre agentes de segurança pública e trânsito, foi disponibilizado pelos governos Federal, Estadual e Municipal especialmente para os eventos emNatal. A previsão inicial da Sesed era de que 30 mil pessoas participem das manifestações.

Grupo que apoia o governo Dilma Rousseff  acompanha votação do impeachmet na Zona Sul de Natal (Foto: Fabiano de Oliveira/G1)
Grupo que apoia o governo Dilma Rousseff acompanha votação do impeachmet na Zona Sul de Natal (Foto: Fabiano de Oliveira/G1)
Manifestantes contra o impeachmet estão na praça da Árvore, na Zona Sul de Natal (Foto: Fabiano de Oliveira/G1)
Manifestantes contra o impeachmet estão na praça da Árvore, na Zona Sul de Natal (Foto: Fabiano de Oliveira/G1)

Manifestantes pró-impeachment se concentram no bairro do Tirol, na Zona Sul de Natal (Foto: Anderson Barbosa/G1)
Manifestantes pró-impeachment se concentram em Petrópolis, na Zona Leste (Foto: Anderson Barbosa/G1)

Em Natal, grupo pede democracia e diz que não vai ter golpe em Mirassol (Foto: Renato Vasconcelos/G1)
Em Natal, grupo pede democracia e diz que não vai ter golpe em Mirassol (Foto: Renato Vasconcelos/G1)
Grupo que pede a saída da presidente Dilma ocupa a praça Cívica, em Natal (Foto: Anderson Barbosa/G1)
Grupo que pede a saída da presidente Dilma ocupa a praça Cívica, em Natal (Foto: Anderson Barbosa/G1)