Inscrição do século VI dedicada a Jesus é achada em Israel

A descoberta ocorreu no Vale de Jezreel, comunidade de Tayibe — Foto: Divulgação/Tzachi Lang/Autoridade de Antiguidades de Israel

Uma pedra com a frase “Cristo nasceu de Maria” levou arqueólogos a confirmarem a existência de igrejas cristãs em assentamentos primitivos árabes há, no mínimo, 1.500 anos, em Israel.

O artefato, anunciado por pesquisadores do Instituto de Antiguidade de Israel nesta semana, mostra evidências de templos antes do advento do Islã e sugere também que eles continuaram em atividade no período muçulmano.

A descoberta ocorreu no Vale de Jezreel, comunidade de Tayibe, cidade ao norte de Israel. Agora, a região, marcada por presença árabe, mostra que o seu passado viveu o cristianismo ao menos até o século V, o que era passível de confirmação científica para os pesquisadores.

“A importância da inscrição é que até agora não sabíamos com certeza se havia igrejas deste período nesta área”, afirmou o arqueólogo Walid Atrash, da Autoridade de Antiguidades de Israel, ao jornal The Times of Israel.

De acordo com os arqueólogos, a pedra foi achada em um lugar que seria a parede de uma entrada da igreja erguida com estrutura da era bizantina. Neste período, dominado pelo Império Romano, as artes tinham fortes traços políticos-religiosos.

Os textos encontrados na pedra sugerem que igreja teria sido fundada no final do século V, pelo arcebispo regional de Beit She’an, conhecido pelo nome de “Teodósio”.

Segundo Walid Atrash, apesar do achado, a confirmação da existência de igrejas na região “não é surpreendente” visto que já haviam sido achadas ruínas de supostos templos cristãos. O que os estudiosos não tinham eram confirmações de que a presença cristã era do período bizantino.

Os pesquisadores creem que a igreja durou até o começo do período muçulmano. A partir de agora, os estudos seguem para descobrir se o tempo foi contruído por cristãos ou por judeus.

O significado da escritura

A frase “Cristo nasceu de Maria” está em uma pedra que continha sete linhas de escritos parcialmente destruídos pelo tempo.

De acordo com a pesquisadora do Instituto de Arqueologia da Universidade Hebraica de Jerusalém Leah Di Segni, a expressão “Cristo nasceu de Maria” serve como um amuleto de sorte para afastar mau-olhado.

A menção do arcebispo Teodósio na inscrição é mais uma evidência de que a pedra não estava em um mosteiro, mas em uma igreja.

“A inscrição saúda aqueles que entram e os abençoa. Portanto, é claro que o edifício é uma igreja, e não um mosteiro: as igrejas saudavam os crentes na entrada, enquanto os mosteiros tendiam a não fazer isso”, disse Di Segni.

Segundo os pesquisadores, a inscrição ficava dentro da parede, não sendo visível. A suspeita é de que a igreja tenha sido destruída durante um dos diversos terremotos que atingiram a região.

Fonte: CNN