Legislativo alerta sobre importância da doação de medula óssea

Crédito da Foto: Divulgação

Sempre preocupada com as questões relativas à Saúde Pública, a Assembleia Legislativa chama a atenção, mais uma vez, para o tema da Doação, que foi assunto de campanhas realizadas pela Casa em anos anteriores. Assim como no caso da Doação de Órgãos, campanha executada em 2017 juntamente com a Central de Transplantes, e a de Doação de Sangue – também promovida em 2017, o Legislativo Estadual busca informar e incentivar os potiguares a serem doadores de medula óssea.

De acordo com informações do Hemonorte, órgão responsável pela execução, no Estado, da Política Nacional de Sangue e Hemoderivados do Ministério da Saúde, o transplante de medula óssea é indicado para doenças relacionadas à fabricação de células do sangue e a deficiências no sistema imunológico.

Com isso, os principais beneficiados são pacientes com leucemias originárias das células da medula óssea, linfomas, doenças originadas do sistema imune em geral, dos gânglios e do baço, e anemias graves (adquiridas ou congênitas).

Ainda segundo dados fornecidos pelo Hemonorte, a probabilidade de se encontrar um doador de medula óssea compatível é de 1 para 100 mil. E conforme o Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea (Redome), existem no RN mais de 200 pacientes na fila de espera pelo referido transplante.

Luta pela vida

Filho do servidor Possidônio José Rodrigues dos Santos, Leonardo Fernandes Santos, 25 anos, formado em Direito, é um dos guerreiros que esperam pacientemente por um transplante de medula óssea.

No dia 9 de agosto de 2018, pouco tempo depois da sua formatura, Leonardo foi internado e iniciou seu tratamento contra a LMA (Leucemia Mieloide Aguda).Desde então, Leonardo aguarda pela solidariedade e posterior compatibilidade com o doador para alcançar a cura.

Como se tornar um doador

– Ter entre 18 e 55 anos;
– Estar bem de saúde;
– Não ter doença infecciosa transmissível pelo sangue (como HIV ou hepatite)
– Não apresentar histórico de doença neoplásica (câncer), hematológica ou autoimune (como lúpus eritematoso sistêmico e artrite reumatoide);
– Apresentar documento oficial com foto;
– Preencher formulário com os dados pessoais, que precisam estar atualizados (Caso haja mudança de endereço, deve-se acessar a página do Hemonorte, no link “transplante de medula óssea”, e atualizar as informações);
– Após o cadastro, será coletada uma amostra de sangue de 4 ml para o teste de tipagem, que verifica a compatibilidade do doador;
– O teste fica cadastrado numa central e, quando for necessário, é realizada a comparação para verificação de compatibilidade.

 

Assessoria