Na ONU, Dilma não cita golpe, mas fala de “retrocesso”

Dilma Rousseff: "Sou grata a todos os líderes que expressaram solidariedade"
Dilma Rousseff: “Sou grata a todos os líderes que expressaram solidariedade”

Por Rita Azevedo da Exame.com

São Paulo — A presidente Dilma Rousseff  discursou na manhã dessa sexta-feira na sede da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova York. Ela participa da cerimônia de assinatura do Pacto de Paris, um acordo sobre mudanças climáticas fechado durante a COP 21, realizado no ano passado.

A expectativa era se Dilma falaria ou não sobre a crise política e o processo de impeachment, aprovado na Câmara dos Deputados no último domingo. Ela centralizou todo o discurso sobre o acordo climático, mas, ao final, disse que não poderia terminar sua fala “sem mencionar o grave momento que vive” o país.

Ela citou os brasileiros como um povo “com grande apreço pela liberdade” e que saberá “impedir qualquer retrocesso”:

“A despeito disso, quero dizer que o Brasil é um grande país, com uma sociedade que soube vencer o autoritarismo e construir uma pujante democracia. Nosso povo é um povo trabalhador, e com grande apreço pela liberdade. Saberá, não tenho dúvidas, impedir quaisquer retrocessos”.

Durante a tarde, a presidente dará entrevista a jornalistas estrangeiros. Depois, ela volta ao Brasil.

A íntegra do discurso no vídeo abaixo

“Senhor secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon,

Senhor presidente da França e presidente da COP21, presidente François Hollande,

Senhoras e senhores chefes de Estado e de governo participantes dessa cerimônia de assinatura do Acordo de Paris,

Senhoras e senhores integrantes de delegações,

Senhoras e senhores,