Para Gustavo Fernandes, é preciso alternativas contra possível fechamento das facções de costura

Em pronunciamento durante sessão plenária desta quinta-feira (14), na Assembleia Legislativa, o deputado Gustavo Fernandes (PMDB) repercutiu a ação civil pública impetrada pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) contra as facções de costura que prestam serviços terceirizados ao grupo Guararapes Confecções. Segundo o parlamentar, a ação pode culminar em perdas de postos de trabalho no Rio Grande do Norte.

“O Ministério Público do Trabalho exige que a Guararapes assuma as responsabilidades trabalhistas com os funcionários das facções de costura, mas o grupo não pode assumir essas questões. Isso pode levar ao desinteresse da Guararapes em investir no Estado e, dessa forma, gerar mais desemprego no RN”, disse Gustavo Fernandes, citando ainda o recente fechamento da empresa Alpargatas, desempregando aproximadamente 400 trabalhadores.

O deputado lembrou que o país atravessa uma crise econômica e que são necessárias iniciativas para que novos postos de trabalho não sejam perdidos no Estado. “Sou contra a precarização do trabalho, mas é preciso unir esforços em favor de alternativas para essa situação. Coloco-me à disposição para, junto a outros deputados, dialogarmos com o Ministério Público do Trabalho. A nossa preocupação é, acima de tudo, em defesa do emprego do trabalhador potiguar”, concluiu o parlamentar.

 

Assessoria