Polícia prende acusados de assassinar empresário em Caicó

noticia_149984

Uma ação conjunta da Polícia Civil e da Polícia Militar conseguiu prender em flagrante Kaio Dênis da Silva, 22 anos, Anielle Jéssica dos Santos, 23 anos e apreender um adolescente de 17 anos, acusados do assassinato do empresário Severiano Firmino de Araújo, conhecido como “Servi”, em Caicó.

A vítima foi morta a tiros quando tentava impedir um roubo que estava acontecendo em sua casa. O crime está sendo investigado pela Delegacia de Polícia Civil de Caicó.

Após o crime, policiais civis e militares da cidade realizaram diligências e conseguiram prender Dênis e apreender o adolescente que estavam escondidos em uma casa localizada numa área conhecida como Passagem Molhada. Na residência, os policiais civis encontraram 30 munições de calibre 38.

“Anielle Jéssica dos Santos não estava na cena do crime, mas emprestou a motocicleta usada pela dupla para chegar à casa do empresário. Dênis e o adolescente entraram na casa armados. Quando Severiano Firmino chegou à sua residência, reagiu ao assalto e acabou sendo morto pela dupla, que fugiu em um automóvel”, detalhou o delegado que estava de plantão na noite do crime, Hildebran Batista de Araújo

O delegado titular da 3a. DRPC, Ricardo Brito, afirmou que Jéssica chegou a ir até a delegacia na noite do crime para fazer um boletim de ocorrência, afirmando que sua motocicleta havia sido roubada. Porém, a equipe de investigação descobriu rapidamente que ela havia emprestado a moto para que a dupla praticasse o crime. Os suspeitos afirmaram na Delegacia que a morte de Severiano não havia sido premeditada e que só tinham ido a casa praticar o roubo

Dênis e Jéssica serão autuados pelos crimes de latrocínio, associação criminosa. O adolescente responderá pelo crime análogo a latrocínio. Dênis também responderá pelo crime de corrupção de menores. “A arma usada no crime não foi localizada, mas as investigações estão bem adiantadas. Nós também estamos investigando a possível participação de outras pessoas no crime.”, detalhou o delegado Ricardo Brito.