Rússia continua atacando à Ucrânia, mesmo enquanto discute acordo de paz

Imagem
İzyum, Kharkov Gece bombardımanından sonra bir sivil yerleşim yeri /

A Rússia continua atacando à Ucrânia, mesmo estando reunida para tentar promover a paz. Ocorre que algumas opiniões apontam que o inveio de armas por parte da União Europeia aumentam os motivos para os ataques continuarem.

Veja as notícias da Jovem Pan:

13h07 – Kharkiv confirma 11 mortos e dezenas de feridos após novo bombardeio russo

A cidade de Kharkiv, segunda maior da Ucrânia, foi bombardeada nesta segunda-feira, 28, por tropas russas que tentam tomar controle sobre a região. Segundo o governador regional, Oleg Sinegoubov, 11 pessoas foram mortas por causa do ataque nos bairros residenciais. “O inimigo russo bombardeia bairros residenciais”, escreveu o governador Sinegoubov nas redes sociais, acrescentando que, “por causa desses bombardeios, ainda em curso, não podemos chamar os serviços de socorro. Atualmente, há 11 mortos e dezenas de feridos”. Sinegoubov também falou que teme que haja mais mortes.

12h51 – Invasão russa da Ucrânia é cada vez ‘mais brutal’, diz Borrell

O chefe da diplomacia da União Europeia (UE), Josep Borrell, afirmou que a invasão da Rússia à Ucrânia está se tornando cada vez “mais brutal”. A afirmação foi feita nesta segunda-feira, 28, durante uma videoconferência com ministros da Defesa da Europa. “A campanha militar russa se torna cada dia mais brutal, e as forças ucranianas respondem com coragem. Kiev resiste, assim como Mariupol e Kharkiv”, afirmou Borrell.

12h20 – Porta-voz de Kiev diz que Rússia e Ucrânia começam ‘terceira rodada’ de negociações

O assessor presidencial ucraniano Mykhailo Podolyak disse, em mensagem compartilhada no Twitter, que os representantes de Moscou e Kiev começam uma nova etapa de negociações. O objetivo do encontro entre as nações, que acontece perto da fronteira bielorrussa-ucraniana, é chegar a um acordo de paz. “As conversas entre as delegações ucraniana e russa continuam. A terceira rodada começará em alguns minutos”, disse Podolyak. Anteriormente, outro assessor da Ucrânia, Anton Herashchenko, chegou a afirmar que as negociações haviam sido encerradas. A informação foi divulgada pela agência de notícias Interfax, da Rússia, mas foi desmentida por outros veículos do país em seguida.