Sessão solene ressalta importância do tema da campanha da Fraternidade 2016

Crédito da foto: Eduardo Maia
Crédito da foto: Eduardo Maia

Saneamento básico é o foco da Campanha Fraternidade 2016, promovida pela Igreja Católica. A importância do tema foi ressaltada durante sessão solene na manhã desta segunda-feira (14) na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte. O evento foi proposto pelos deputados Hermano Morais (PMDB) e José Dias (PSDB).

“Queremos parabenizar a Igreja pela escolha de um tema tão importante. O saneamento básico é um assunto urgente e inadiável e nós, como cristão, devemos cobrar melhorias para a condição humana e de um mundo melhor”, disse o deputado Hermano Morais em seu pronunciamento.

Para ele, o Rio Grande do Norte ainda está atrasado no que diz respeito às políticas públicas voltadas para o saneamento básico e o acesso à água potável. “A crise hídrica e as consequências da falta de investimentos em tratamento de esgoto ainda é um problema. Esse é um grande desafio do povo de Deus e da sociedade em geral”, afirma o parlamentar.

O arcebispo metropolitano de Natal, Dom Jaime Vieira Rocha, convidou para que todos participem da campanha, que este ano é ecumênica. “A temática deve ser aprofundada, refletida e discutida para que haja resultado concreto para as pessoas”, apontou. Segundo ele, os temas abordados pela Campanha da Fraternidade resultam em melhorias para a sociedade.

Estiveram presentes na solenidade, além dos propositores, os deputados José Adécio (DEM), a deputada Cristiane Dantas (PCdoB) e o presidente da Casa Ezequiel Ferreira de Souza (PMDB). Representantes da OAB, Governo do Estado, Prefeitura do Natal e outras entidades participaram do evento.

 Campanha da Fraternidade 2016

O tema da Campanha da Fraternidade Ecumênica 2016 é a “Casa Comum, Nossa Responsabilidade” e o lema “Quero ver o direito brotar como fonte e correr a justiça qual riacho que não seca”, com foco no saneamento básico, no desenvolvimento, na saúde integral e na qualidade de vida. Dados divulgados pelo Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil (Conic) mostram que, mesmo figurando entre as maiores economias do mundo, o Brasil tem mais de 100 milhões de pessoas sem saneamento básico.

Assessoria