Ucrânia rejeita corredores humanitários em direção a Belarus e Rússia propostos por Moscou

Número de ucranianos que deixam o país segue aumentando diariamente / Wojtek RADWANSKI / AFP

Ucrânia rejeita os corredores humanitários em direção a Belarus e à Rússia, propostos por Moscou. Kiev apontou a sugestão como golpe imoral. O anúncio foi feito nesta segunda-feira, 7, pela a vice-primeira-ministra ucraniana, Iryna Vereschuk. “Não é uma opção aceitável”, disse. Ela afirmou que os civis retirados das cidades de Kharkiv, Kiev, Mariupol e Sumy “não irão para Belarus para, em seguida, embarcar em um avião e seguir para Rússia”.

De acordo com mapas publicados pela agência de notícias RIA, um corredor em Kiev levaria a Belarus, enquanto os civis de Kharkiv teriam permissão para ir apenas para a Rússia. A Rússia também montaria uma ponte aérea para levar os ucranianos de Kiev para a Rússia, disse o ministério da Defesa dos russos. “As tentativas do lado ucraniano de enganar a Rússia e todo o mundo civilizado… são inúteis desta vez”, disse o ministério.

Um porta-voz do presidente ucraniano Volodymyr Zelenskiy chamou a medida de “completamente imoral” e disse que a Rússia está tentando “usar o sofrimento das pessoas para criar uma imagem de televisão”. “Eles são cidadãos da Ucrânia, deveriam ter o direito de evacuar para o território da Ucrânia”, disse o porta-voz à Reuters. “Este é um dos problemas que está causando o colapso dos corredores humanitários. Eles parecem concordar com eles, mas eles mesmos querem fornecer ajuda humanitária para um filme na TV e querem que os corredores levem em sua direção.”

Após o início da invasão da Ucrânia pela Rússia, no dia 24 de fevereiro, mais de 1,5 milhão de ucranianos já fugiram para fora do país. Apesar das autoridades russas afirmarem atacar apenas o poder militar ucraniano, diversos civis já foram vitimados pelo ataque. O número oficial de mortes de civis da ONU em hostilidades em toda a Ucrânia é de 364, incluindo mais de 20 crianças, embora as autoridades reconheçam que isso provavelmente representa uma fração do número real. A Rússia reconheceu quase 500 mortes entre seus soldados. O número de mortos não pode ser verificado, mas imagens amplamente filmadas em toda a Ucrânia mostram destroços bombardeados de colunas blindadas russas e cidades ucranianas reduzidas a escombros por ataques russos.

Cerca de 200.000 pessoas ficaram presas em Mariupol, a maioria dormindo no subsolo para escapar de mais de seis dias de bombardeios das forças russas que cortaram alimentos, água, energia e aquecimento, segundo as autoridades ucranianas. Cerca de metade das pessoas na cidade deveriam ser evacuadas no domingo, mas esse esforço foi abortado pelo segundo dia quando um plano de cessar-fogo entrou em colapso quando os lados se acusaram mutuamente de não parar de atirar e bombardear.

Jovem Pan