União Brasil deve ser reconhecido no Congresso na próxima semana e sofrer debandada

A chegada do União Brasil mexe também com o cenário de formação das federações partidárias / Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Com a união do Partido Social Liberal (PSL) e do Democratas (DEM) para a criação do União Brasil, a expectativa é que, a partir de terça-feira, 15, os parlamentares já tenham que usar a nova legenda. É o que afirma o vice-líder do governo na Câmara, Sanderson. “Semana que vem, segundo o próprio presidente da Casa, Arthur Lira, será a última semana do PSL e do DEM como partidos autônomos. Se falará em um novo partido, que é o União Brasil”, afirmou. Com a janela partidária, que vai de 3 a março a 1 de abril, a estimativa é que pelo menos 30 representantes do PSL deixem a legenda. A maioria para se filiar ao Partido Liberal (PL), legenda do presidente Jair Bolsonaro.

A chegada do União Brasil mexe também com o cenário de formação das federações partidárias. Além da nova sigla, a discussão para ampliar força política mobiliza outras legendas. Uma reunião entre presidentes e parlamentares PSB, PT, PCdoB e PV debateu um estatuto para uma possível aliança. As sugestões apresentadas pelo PSB serão analisadas e a discussão será retomada em dez dias. Se a federação for fechada, as propostas que não tiverem o mínimo de 80% de aprovação geral serão vetadas. No geral, a federação permite a formação de blocos de atuação política entre dois ou mais partidos, aumentando a verba do Fundo Eleitoral e o tempo de propaganda para televisão.

*Com informações da repórter Katiuscia Sotomayor

Jovem Pan