Author: Foto Repórter

Ciro Nogueira aceita convite de Bolsonaro e será o novo ministro da Casa Civil

O novo ministro Ciro Nogueira posou para foto no Planalto ao lado de Arthur Lira (ambos à direita), do presidente Bolsonaro e dos ministros Flávia Arruda, Luiz Eduardo Ramos e Fábio Faria — Foto: Reprodução
O novo ministro Ciro Nogueira posou para foto no Planalto ao lado de Arthur Lira (ambos à direita), do presidente Bolsonaro e dos ministros Flávia Arruda, Luiz Eduardo Ramos e Fábio Faria — Foto: Reprodução

O senador Ciro Nogueira (PP-PI) aceitou oficialmente o convite do presidente Jair Bolsonaro e será o novo ministro da Casa Civil.

Ciro confirmou a informação após se reunir com Bolsonaro no Palácio do Planalto. O próprio presidente já havia antecipado, na semana passada, que o senador iria para a Casa Civil.

“Acabo de aceitar o honroso convite para assumir a chefia da Casa Civil, feito pelo presidente. Peço a proteção de Deus para cumprir esse desafio da melhor forma que eu puder, com empenho e dedicação em busca do equilíbrio e dos avanços de que nosso país necessita”, escreveu Nogueira em uma rede social.

VÍDEO: Ciro Nogueira aceita convite para assumir a chefia da Casa Civil

Nogueira é presidente do PP e membro do grupo conhecido no Congresso como Centrão.

A ida dele para a Casa Civil é uma estratégia de Bolsonaro de se fortalecer politicamente. O presidente tenta estreitar seus laços com o grupo, fundamental para o governo ganhar votações no Congresso, e também busca melhorar a relação do governo com o Senado, onde a CPI da Covid tem gerado desgastes para o Palácio do Planalto.

A Casa Civil é um dos mais importantes ministérios da Esplanada e, além de auxiliar na articulação política junto ao Congresso, atua na coordenação de ações do governo com outras pastas.

O ministro da Casa Civil compõe, junto com o ministro da Economia, a Junta de Execução Orçamentária, responsável por definir questões do Orçamento como: remanejamento de verbas entre os ministérios, créditos suplementares e bloqueios e desbloqueios de verba.

Ciro Nogueira e Bolsonaro, em cerimônia no Piauí, em 20 de maio de 2021. — Foto: Isac Nóbrega/PR

Ciro Nogueira e Bolsonaro, em cerimônia no Piauí, em 20 de maio de 2021. — Foto: Isac Nóbrega/PR

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), colega de partido de Ciro, esteve no Planalto e posou para fotos com o novo titular da Casa Civil, Bolsonaro e outros ministros do governo.

Nogueira permaneceu por quase duas horas e meia no Planalto. Na saída, em conversa rápida com jornalistas, declarou que sua posse será “o mais rápido possível”.

A nomeação de Nogueira ainda não foi publicada no “Diário Oficial da União”.

Ele será o quarto ministro da Casa Civil de Bolsonaro em dois anos e sete meses de governo

Perfil

O parlamentar piauiense de 52 anos de idade circula pelos corredores do Congresso desde 1995, quando tomou posse como deputado federal, aos 26 anos. Ele é considerado em Brasília um “político profissional”.

Após quatro mandatos na Câmara e em meio ao segundo mandato como senador, Ciro assumirá pela primeira vez um cargo no Executivo.

Filho e neto de políticos, o empresário piauiense é formado em direito e, nas últimas eleições, declarou à Justiça Eleitoral ter R$ 23,3 milhões em bens.

Ciro Nogueira, que apoiou governos petistas e o do ex-presidente Michel Temer (MDB), aproximou-se de Jair Bolsonaro em meados de 2020. Desde então, passou a fazer parte da comitiva do presidente durante viagens ao Nordeste para inauguração de obras e se tornou um dos principais defensores de Bolsonaro no Congresso.

Minirreforma ministerial

A ida de Nogueira para a Casa Civil faz parte de uma minirreforma ministerial costurada por Bolsonaro.

O atual ministro da Casa Civil, Luiz Eduardo Ramos, deve ir para a Secretaria-Geral da Presidência, hoje comandada por Onyx Lorenzoni.

Com isso, Onyx deve ir para o novo Ministério do Trabalho, que será recriado. Até então, no governo Bolsonaro, o Trabalho ficava sob a responsabilidade do Ministério da Economia.

Os novos postos de Ramos e Onyx ainda não foram confirmados oficialmente.

G1

Gilmar Mendes envia à PGR ações sobre ameaças de Braga Netto às eleições de 2022

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), enviou à Procuradoria-Geral da República (PGR), nesta terça-feira, 27, quatro ações que pedem que o ministro da Defesa, Walter Braga Netto, seja investigado por supostas ameaças às eleições de 2022. O envio das ações à PGR é protocolar. A instituição terá, agora, que avaliar se há indícios de crimes. Se não houver provas, a Procuradoria pode pedir o arquivamento do caso. Os pedidos de investigação são assinados pelos deputados Natália Bonavides (PT-RN), Bohn Gass (PT-PR), Alexandre Frota (PSDB-SP) e pelo advogado Ronan Wielewski Botelho. Na petição, Bonavides afirma que Braga Netto “tem um comportamento deveras danoso à democracia no exercício de seu cargo” e acrescenta que, desde que o militar assumiu o Ministério da Defesa, “a frequência de crises militares aumentou”.

Segundo reportagem publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo, o general do Exército teria enviado um recado ao presidente da Câmara dos DeputadosArthur Lira (PP-AL), condicionando a realização do pleito à aprovação da PEC do voto impresso, de autoria da deputada federal Bia Kicis (PSL-DF), aliada do presidente Jair Bolsonaro no Congresso. Em nota, Braga Netto disse que a publicação gera “desinformação” e acrescentou que não se comunica com chefes de outro Poder por meio de interlocutores.

Jovem Pan

Museu Câmara Cascudo recebe acervo de José Costa Leite

Na semana em que completa 94 anos, um sonho concretizado! O acervo de José Costa Leite, o mais antigo xilógrafo, poeta e cordelista vivo, já está no Museu Câmara Cascudo (MCC)! São 645 matrizes de xilogravura em madeira, cópias impressas de cada uma delas, feitas na Paraíba, além de peças inacabadas que permitem conhecer o processo de criação do artista pernambucano. Nada mais justo que esse feito seja comemorado prestando mais uma homenagem ao talentoso artista. Na terça-feira (27), José Costa Leite completou 94 anos de vida! 

Fruto da campanha lançada em novembro de 2020,  as matrizes de xilogravura foram levadas da casa do artista, na cidade de Condado, em Pernambuco, para João Pessoa, na Paraíba, onde foram impressas pelo xilógrafo Marcelo Soares, que já trabalhou com Costa Leite. Agora, todo o material foi entregue ao Setor de Etnologia do MCC. 

O projeto contemplado no Edital de Matchfunding BNDES+ Patrimônio Cultural 2020, do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES),  teve o objetivo de adquirir as matrizes de xilogravura do acervo pessoal de José Costa Leite. O MCC contou com o apoio da Fundação Norte-rio-grandense de Pesquisa e Cultura (FUNPEC) e de todos os benfeitores que contribuíram com o financiamento coletivo. 

Para Everardo Ramos, diretor do Museu Câmara Cascudo, o engajamento entre o BNDES e a sociedade foi de extrema importância para a concretização deste momento tão especial para o MCC e para a comunidade. “Preservar parte significativa de sua obra [de José Costa Leite] no MCC é de extrema importância, pois no museu – que é público, federal e universitário – as obras serão preservadas, estudadas por especialistas e disponibilizadas para todos os públicos, através de exposições e publicações”, afirma o professor Everardo.

O artista e poeta paraibano tem mais de 70 anos de carreira e produziu mais de 600 matrizes de xilogravura em madeira, que estavam guardadas em sua própria residência. Agora, a arte de Costa Leite será preservada e devidamente conservada dentro do acervo de etnologia do Museu Câmara Cascudo. 

Para que isso aconteça, de fato, as peças passam por um processo de avaliação para que possam ser destinadas à reserva técnica e, no futuro, à uma exposição. Jailma Medeiros, chefe do Setor de Etnologia, é a responsável pela equipe que faz o tratamento das peças artísticas. Elas estão sendo pesadas, medidas, higienizadas, tratadas, tombadas e fotografadas. 

“A chegada destes bens representa a ampliação de material de pesquisa para nossa universidade, favorecendo os estudos e a troca de saberes em uma área com bastante representatividade para a cultura brasileira, em especial a nordestina”, explicou Jailma. A previsão é que até dezembro o material esteja em uma exposição virtual no site do MCC. 

Ministro da Defesa de Israel viaja à França por escândalo do software de espionagem Pegasus

França reabre fronteiras no dia 9, mas coloca Brasil na lista vermelha |  Internacional e Commodities | Valor Investe
Foto da Internet

Oministro da Defesa de Israel, Benny Gantz, viajará esta semana à França para informar as autoridades deste país sobre os últimos acontecimentos a respeito da NSO, empresa de segurança cibernética israelense cujo software Pegasus é suspeito de ter sido utilizado para espionar o presidente Emmanuel Macron.

“Na quarta-feira, o ministro da Defesa, Benny Gantz, viaja à França para se reunir com a ministra das Forças Armadas, Florence Parly, e ter um diálogo sobre questões estratégicas e segurança”, anunciou o ministério em um comunicado.

“Vai informar a ministra sobre o tema NSO”, acrescenta a nota.

“A ministra das Forças Armadas aproveitará esta reunião prevista há muito tempo para saber qual conhecimento o governo israelense possuía sobre as atividades dos clientes de NSO e quais dispositivos lançou – e quais serão lançados no futuro – para prevnir um mau uso dessas ferramentas”, informaram no entorno Florence Parly.

O programa de espionagem Pegasus está no centro de um escândalo internacional que levou a chanceler alemã Angela Merkel a exigir mais restrições na venda de tais sistemas.

A ONG Repórteres Sem Fronteiras exigiu uma moratória sobre o uso do software.

As organizações Forbidden Stories e Anistia Internacional obtiveram uma lista de 50.000 números de telefones, selecionados por clientes da NSO desde 2016 para uma possível vigilância, e a compartilharam com um consórcio de 17 veículos de imprensa, que divulgaram a existência da mesma na semana passada.

De acordo com as informações do consórcio de imprensa, Pegasus espionou o telefone de pelo menos 180 jornalistas, 85 ativistas dos direitos humanos e 14 chefes de Estado, incluindo o presidente francês Emmanuel Macron, acusações que a NSO nega.

Moradores da França desconfiam que o país esteja se transformando em uma ditadura. Reclamam da obrigatoriedade de manter os animais com chips de identificações, que as pessoas já não tem liberdade como tinham antes.

Em

Anvisa suspende autorização de importação da vacina Covaxin

Foto: © Reuters/Amit Dave/direitos reservados

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) suspendeu cautelarmente a autorização excepcional e temporária para importação e distribuição da vacina Covaxin, usada contra a covid-19. A decisão foi tomada hoje (27), em Brasília, de forma unânime pela diretoria colegiada da agência. A solicitação de importação foi feita pelo Ministério da Saúde.

Em nota, a Anvisa informou que a decisão foi tomada após ter sido comunicada pela empresa indiana Bharat Biotech que “a Precisa Medicamentos não possui mais autorização para representar a Bharat, fabricante da vacina Covaxin no Brasil”.

Segurança jurídica e técnica

Ainda segundo a agência, a medida prevalecerá até que “sobrevenham novas informações que permitam concluir pela segurança jurídica e técnica” da manutenção da deliberação que autorizou a importação.

Relator da matéria, o diretor Alex Machado Campos disse que a perda de legitimidade da Precisa Medicamentos para atuar junto à Anvisa pode influenciar no cumprimento dos requisitos e condicionantes da importação.

“A decisão levou em conta ainda notícias de que documentos ilegítimos podem ter sido juntados ao processo de importação, o que pode impactar as conclusões quanto aos aspectos de qualidade, segurança e eficácia da vacina a ser utilizada na população nacional”, concluiu a Anvisa.

Agência Brasil /BG

Implantação da plataforma Areia Branca Digital passará a oferecer serviços e documentos de forma totalmente digital à população

Foto cedida

A implantação da plataforma Areia Branca Digital passará a oferecer serviços e documentos de forma totalmente digital à população

A Prefeitura de Areia Branca lançou na manhã desta terça-feira (27) o projeto Areia Branca Digital que vai facilitar a forma como os areia-branquenses vão solicitar e obter os serviços públicos junto aos órgãos municipais. Licença, declaração, alvará, atestado, certidão, cadastro entre outros serviços serão feitos de casa a partir do celular ou de um computador.

O município entrou na era da transformação digital e da economia. O projeto Areia Branca Digital deve economizar mais de R$ 230 mil ao ano em gastos com papel e insumos na cidade. O sistema entra em operação a partir do dia 2 de agosto.

“Hoje é um dia histórico porque marca um salto na transformação digital em nossa cidade. Vamos gastar menos dinheiro com burocracia para investir mais em saúde, educação e infraestrutura urbana. Vamos reduzir muito e, em breve, zerar nosso gasto com papel, com impressoras, com copiadoras, com gráficas, com energia, com deslocamento de pessoas, de veículos e de combustíveis para levar e trazer documentos que a partir de agora não será mais necessário porque tudo vai circular pela internet. Vamos economizar, sobretudo um bem muito precioso para todos nós que é o tempo”, declarou a prefeita Iraneide Rebouças.

O Areia Branca Digital aumenta a eficiência da administração porque, além da agilidade, será possível realizar o gerenciamento das ações, metas da gestão municipal. A plataforma é um software 100% web, responsivo (tablets, smartphones), com certificação digital e painéis de gestão que fornecem dados para melhorar continuamente a qualidade dos serviços e processos da gestão pública.

Desenvolvida pela 1Doc e operacionalizada com exclusividade pela Sogo Tecnologia no Nordeste brasileiro, o sistema está presente em mais de 300 cidades brasileiras. Por meio dela, é possível digitalizar documentos e informações públicas, rastrear os processos administrativos de ponta a ponta, centralizar informações, fazer assinaturas de documentos, gerir toda a documentação de forma eletrônica, entre outras funções. Tudo isso traz mais transparência à gestão, celeridade dos processos administrativos e desburocratização dos serviços.

“Areia Branca está saindo na frente. Somos a primeira cidade da região e uma das primeiras do estado a dar essa virada digital transformadora e disruptiva. O compromisso com a modernização e a eficiência da gestão pública que nosso mandato cumpre com todos os areia-branquenses”, finalizou Iraneide Rebouças.

Mesmo após 15 meses de suspensão, nem todas as escolas da rede estadual retomaram as aulas presenciais nesta segunda-feira (26)

Foto: Magnus Nascimento

Mesmo após 15 meses de suspensão das atividades presenciais por conta da pandemia da covid-19, nem todos os estudantes das escolas da rede pública estadual do Rio Grande do Norte puderam retornar às salas de aula nesta segunda-feira (26).

A Secretaria Estadual de Educação informou que cerca de 15 escolas estão ainda em reforma e que mais de 200 precisaram ser reformadas nesta pandemia e, por conta disso, não houve tempo para concluir até esta segunda-feira, segundo reportagem da Tribuna do Norte. A expectativa, de acordo com a secretaria, é que o problema se resolva ainda nesta semana.

As aulas da rede estadual haviam sido interrompidas no dia 18 de março de 2020. O primeiro dia de reabertura, segundo o protocolo estadual de retomada das aulas, previa aulas para turmas do 1º ao 5º ano do ensino fundamental e 3ª série do ensino médio.

Com informações da Tribuna do Norte /BG

Do começo na tampa de isopor ao ouro olímpico: conheça a trajetória do surfista potiguar Italo Ferreira

Ítalo Ferreira comemora após ganhar medalha de ouro no surfe nesta terça (27) nas Olimpíadas de Tóquio — Foto: Lisi Niesner/Reuters
Ítalo Ferreira comemora após ganhar medalha de ouro no surfe nesta terça (27) nas Olimpíadas de Tóquio — Foto: Lisi Niesner/Reuters

primeira medalha de ouro do Brasil nas Olimpíadas de Tóquio é do surfe e veio com o potiguar Italo Ferreira, de 27 anos. Confiante desde a primeira bateria, ele não escondia de ninguém seu objetivo e reafirmava em várias entrevista: “Eu vim pra vencer”. E venceu.

Italo Ferreira teve uma participação impecável nas Olimpíadas de Tóquio e venceu todas a baterias que disputou. A final contra o japonês Kanoa Igarashi nesta terça-feira (27) foi um verdadeiro show de surfe.

VÍDEO: Veja manobra do surfista Italo Ferreira na prova que rendeu o primeiro ouro ao Brasil nas Olimpíadas

Veja manobra do surfista Italo Ferreira na prova que rendeu o primeiro ouro ao Brasil nas Olimpíadas

Quem é Italo Ferreira

Italo Ferreira — Foto: REUTERS/Lisi Niesner

Italo Ferreira — Foto: REUTERS/Lisi Niesner

Natural de Baía Formosa, litoral sul do Rio Grande do Norte, Italo Ferreira se encantou pelo surfe aos 8 anos de idade, mas só ganhou a primeira prancha aos 10. Antes disso, surfava com pranchas emprestadas dos primos ou usava as tampas das caixas de isopor do pai, que vendia peixe na cidade, como prancha.

Os treinos no quintal de casa lhe renderam a primeira vitória aos 10 anos de idade em um campeonato local e, de lá para cá, foram muitos títulos nacionais e internacionais.

Foi bicampeão mundial Pro Júnior, campeão brasileiro em 2014 e, no mesmo ano, classificou-se para integrar a Liga Mundial de Surfe (WSL), a elite do surfe mundial. Já na primeira temporada, em 2015, Italo terminou como sétimo melhor do mundo e venceu o ‘Rookie Of The Year’ (o novato do ano).

Em 2019 Italo Ferreira foi campeão mundial da World Surf League (WSL), após uma vitória em Pipeline, no Havaí, sobre o bicampeão Gabriel Medina. Ítalo se tornou o terceiro brasileiro a conquistar o título mundial.

O circuito mundial foi suspenso em 2020 por causa da pandemia do coronavírus e por isso Italo Ferreira é o atual campeão mundial de surfe.

Em 2021, ele é o segundo colocado no ranking, atrás apenas de Gabriel Medina.

Veja como são criadas as pranchas de Italo no VÍDEO abaixo:

Veja como são criadas as pranchas do surfista Ítalo Ferreira, promessa de medalha nas Olimpíadas

Veja como são criadas as pranchas do surfista Ítalo Ferreira, promessa de medalha nas Olimpíadas

Paraíso potiguar

Os títulos, prêmios e o reconhecimento profissional não fizeram Italo Ferreira sair de Baía Formosa. É na pequena cidade com pouco mais de 9 mil habitantes que ele vive até hoje.

Após as temporadas de competições é pra lá que ele sempre volta. “Aqui é um lugar especial, é onde tudo começou. Surfar aqui no Pontal é sempre espetacular. O mar é muito bom e as ondas são sensacionais”, disse o surfista em 2015.

Italo Ferreira leva a primeira medalha de ouro para o Brasil

Italo Ferreira leva a primeira medalha de ouro para o Brasil

Instituto Italo Ferreira

Artista potiguar ilustra muro em homenagem a Italo Ferreira em Macaíba — Foto: Cedida

Artista potiguar ilustra muro em homenagem a Italo Ferreira em Macaíba — Foto: Cedida

No início de 2021 Italo anuncia a criação de um instituto para atender crianças de Baía Formosa. O objetivo da entidade será dar oportunidade para as crianças do município que veem no surfe, inspiradas no ídolo, a possibilidade de ter uma vida melhor através do esporte.

“Com essa oportunidade, vou poder contribuir um pouco mais na evolução dessa nova geração. Poder ter esses garotos dentro do instituto, poder ensinar e mostrar a eles que é possível, que eles podem alcançar o objetivo também”, disse Ferreira.

G1RN

Cúpula da CPI da Covid enfrenta atritos e busca articulação para não perder comando

Foto da Internet

Inicialmente apelidado de G7, o grupo que comanda a CPI da Covid ganhou visibilidade nos primeiros 90 dias de atuação da comissão, quase teve defecções e precisou manobrar para superar adversidades.

Após alguns atritos na primeira etapa da CPI, essa ala tem entre seus desafios a busca de articulação para evitar uma perda de comando com a retomada dos depoimentos na comissão a partir da semana que vem.

Majoritário no colegiado, o conjunto de seis a sete senadores, já que um deles é considerado volátil, ditou o ritmo dos trabalhos de investigação. São eles que definem quem serão os convocados, aprovam os requerimentos de quebras de sigilos e impedem que governistas mudem o foco das apurações, tirando-o da gestão do presidente Jair Bolsonaro para os governadores estaduais.

Foi em um momento de cochilo dos governistas que se formou essa coalizão majoritária e, sob certo aspecto, improvável. Estão no mesmo lado petista e tucano, lava-jatistas e críticos da operação. Essas diferenças parecem ter ficado para trás, analisando especificamente a unidade e desempenho do bloco.

Mas a maioria tênue, de um total de 11 titulares da CPI, tem exigido uma ginástica para que desentendimentos e adversidades não provoquem fissuras.

A primeira delas foi com o pedido de prisão de Fabio Wajngarten, que colocou o presidente Omar Aziz (PSD-AM) em atrito com os demais.

Naquela ocasião, o relator da CPI, Renan Calheiros (MDB-AL), pediu a detenção do ex-auxiliar de Bolsonaro, o que acabou negado por Aziz.

Novo racha veio após a prisão determinada por Aziz do ex-diretor do Ministério da Saúde Roberto Ferreira Dias. Apesar de todos manifestarem publicamente apoio ao presidente do colegiado, houve questionamentos internos da decisão.

No caso específico do pedido de prisão de Wajngarten, Aziz reclamou internamente que seus parceiros levaram a público o pedido, apesar de estar acertado nos bastidores o contrário. A situação foi contornada.

Em outro momento, Aziz chateou-se com colegas que votaram contra o requerimento para convocar certos governadores quebrando um acordo de que os pedidos seriam aprovados. Com a rusga, Aziz chegou a falar que não ofereceria mais o jantar com bacalhau em sua casa, nas reuniões das segundas-feiras.

Por outro lado, a ameaça mais séria e persistente está ligada ao Amazonas, estado de dois membros da comissão. Problemas regionais quase levaram à saída definitiva do senador Eduardo Braga (MDB-AM) do G7.

O primeiro embate entre Aziz e Braga ocorreu na época da análise de requerimentos para convocar o governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC).

O senador emedebista pressionou para que Lima fosse convocado, apesar da leitura da cúpula da CPI de que a comissão não tinha tal poder.

Somou-se à demanda de Braga as solicitações dos senadores governistas para que outros chefes de Executivos estaduais fossem chamados a falar no colegiado.

Diante da pressão, para não ter de convocar apenas o governador amazonense, Aziz decidiu colocar em votação os requerimentos para chamar todos os gestores que fossem investigados, o que foi aprovado na CPI, mas acabou barrado pelo STF (Supremo Tribunal Federal).

Braga é considerado adversário de Lima, enquanto Aziz é tido como uma pessoa mais próxima do governador.

Em outra ocasião, houve nova desavença entre ambos quando o presidente da CPI tentou colocar em votações pedidos que poderiam prejudicar aliados de Braga no Amazonas, como quebras de sigilo e convocações. Em um dos jantares de segunda-feira em sua residência, Aziz exigiu “lealdade” aos colegas para a aprovação dos seus requerimentos.

A possível saída do senador da ala majoritária provocou preocupação em parlamentares, principalmente no relator, Renan Calheiros (MDB-AL).

Naquele jantar, Renan disse que é próximo do correligionário e grato a ele pela indicação para que ele se tornasse relator. Por isso, disse que, se houvesse confronto entre os amazonenses, não poderia contrariar Braga.

Aquele jantar terminou com um clima ruim. Aziz disse que retiraria os requerimentos dele de pauta, mas também não votariam os de Renan. A decisão acabou atrasando, por exemplo, a designação de um policial federal para a equipe do relator.

Além disso, Braga passou a ser visto com desconfiança por colegas por nem sempre participar das reuniões semanais do G7 e se manifestar com menos frequência nas sessões da CPI.

A avaliação de parte do grupo é que Braga estaria se alinhando ao Planalto.

Diante da situação, senadores buscaram contornar as rusgas e colocar panos quentes no atrito entre o presidente da CPI e o senador emedebista para evitar perder a maioria.

Folhapress / BG

Natal suspende aplicação da 1ª dose da vacina contra Covid nesta terça-feira (27)

Vacina contra Covid — Foto: Alex Régis/Prefeitura de Natal
Vacina contra Covid — Foto: Alex Régis/Prefeitura de Natal

Natal suspendeu a aplicação da 1ª dose da vacina contra a Covid para esta terça-feira (27). A 2ª dose da CoronaVac e Oxford/AstraZeneca continuará sendo aplicada normalmente.

De acordo com o Secretaria Municipal de Saúde (SMS), a suspensão da 1ª dose é por falta de estoque. A capital informou que aguarda o envio de novas doses pelo Ministério da Saúde para retomar a aplicação.

Até quarta-feira (28), o Rio Grande do Norte deve receber um lote com quase 180 mil doses da vacina contra a Covid, segundo a superintendência do Ministério da Saúde no estado.

Natal estava aplicando a primeira dose em pessoas acima de 32 anos e profissionais da indústria acima dos 24.

Segunda Dose

Oxford/AstraZeneca

Quem recebeu a 1ª dose até o dia 4 de maio, deve procurar os drives SESI, Nélio Dias, Palácio dos Esportes Via Direta ou as 35 UBS nesta terça-feira (27).

CoronaVac

Quem completou 28 dias da primeira dose deve se dirigir ao drive do Palácio dos Esportes ou Nélio Dias, que também dispõem de sala para pedestres, nesta terça-feira (26).

G1RN

Bastidores apontam que Bolsonaro pode ir para o PTB, de Roberto Jefferson

Roberto Jefferson diz que partido acionará OEA contra STF por prisão de  Silveira | O TEMPO
Foto da Internet

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) deve confirmar nesta segunda-feira (26) o nome do senador Ciro Nogueira (PP-PI) como chefe da Casa Civil. Depois desse indicativo de aumento de espaço para o Progressistas no governo e após algumas declarações do presidente, muita gente acha que ele deve se filiar à legenda.

Mas algumas fontes do PP afirmam que isso não vai acontecer e que a tendência maior, se Jair Bolsonaro se filiar a uma sigla tradicional, é que ele vá para o PTB, de Roberto Jefferson. O que o próprio Roberto Jefferson disse, em entrevista à Itatiaia, no podcast Abrindo o Jogo, que trabalharia para que acontecesse.

O PTB, partido do qual Bolsonaro também já fez parte, prepara-se para isso. A conversa de bastidores em Brasília é que o partido é uma possibilidade real.

Como Jefferson foi preso no mensalão, se essa migração do presidente acontecer acenderá outra polêmica, pois uma das bandeiras de Bolsonaro foi o combate à corrupção.

A leitura de alguns integrantes do Progressistas é que a ida para de Bolsonaro para o PP seria ruim para o partido, porque a campanha dele levaria parte importante do Fundo Eleitoral, diminuindo o valor destinado à campanha de deputados federais.

Sendo assim, a aproximação de Bolsonaro com o PP, dando a Casa Civil para o senador Ciro Nogueira, reafirma o lugar do Progressistas na base. Mas, mais do que indicar que Bolsonaro possa ir para a legenda, revela a intenção do presidente de melhorar a relação com o Senado e a Câmara Federal, aprovar pelo menos as pautas positivas e eliminar qualquer possibilidade de andamento de processo de impeachment — a Casa Civil é uma pasta que faz a articulação do governo com o Parlamento.

Ciro Nogueira é a pessoa perfeita para cuidar da relação com o Congresso Nacional. Ele é extremamente influente, muito habilidoso e transita entre a esquerda e a direita como Gisele Bündchen desfila no Fashion Week. Ele foi base de governos petistas, de Michel Temer e, agora, de Bolsonaro. 

Por Edilene Lopes

Rosa Weber determina que Congresso preste informações sobre votação de fundo eleitoral

Ministra Rosa Weber em novembro de 2019. — Foto: Reprodução/TV Justiça
Ministra Rosa Weber em novembro de 2019. — Foto: Reprodução/TV Justiça

A ministra Rosa Weber, vice-presidente do Supremo Tribunal Federal, determinou que o Congresso Nacional preste informações em 10 dias sobre a aprovação fundo que vai financiar as eleições de 2022. A verba, que é calculada em R$ 5,7 bilhões, foi validada na esteira da aprovação da Lei de Diretrizes Orçamentárias.

No dia 16 de julho, um grupo de parlamentares ingressou no Supremo com um pedido para anular a votação. A Corte também recebeu uma segunda ação no mesmo sentido do senador Álvaro Dias (Podemos-PR) no último dia 20.

O caso está com Rosa Weber, pois, pelas regras internas do Supremo, cabe ao comando do tribunal decidir sobre questões urgentes durante o recesso.

“Considerada a natureza da controvérsia, em que se contende a respeito da correção do procedimento legislativo de votação aplicado à espécie, determino a notificação das autoridades impetradas para que prestem informações, no prazo de dez dias (art. 7º, I, da Lei 12.016/2009), como providência prévia ao exame do pedido de liminar”.

Weber determinou ainda que o caso seja enviado posteriormente ao relator original do caso, o ministro Nunes Marques.

Pedido

Um dos processos foi apresentado por sete parlamentares – seis deputados e um senador. São eles: Alessandro Vieira (Cidadania-SE), Adriana Ventura (Novo-SP), Tiago Mitraud (Novo-MG), Vinícius Poit (Novo-SP), Felipe Rigoni (PSB-ES), Tábata Amaral (PDT-SP) e Daniel Coelho (Cidadania-PE).

O grupo apontou ao Supremo o que considerou irregularidades na votação do projeto, ocorrida no dia 15 de julho. Entre elas, o curto intervalo de tempo para que parlamentares pudessem analisar 2.663 emendas ao projeto da LDO.

“A forma como ocorreu a inserção desse aumento do chamado Fundo Eleitoral não seguiu os trâmites constitucionais previstos para o processo legislativo específico no que tange à norma orçamentária. Isso porque não houve atendimento a um prazo razoável de deliberação quanto a uma mudança tão impactante no tocante ao Fundo Eleitoral”, afirmam os advogados que apresentaram o pedido em nome dos parlamentares.

“Salta aos olhos que o procedimento adotado na discussão e votação, que são requisitos constitucionais, não foi atendido e a minoria parlamentar, que tem o direito de participar da deliberação, sendo ouvida e considerada, foi simplesmente ignorada, ao arrepio de nossa Carta Magna”, afirma.

O grupo também criticou o aumento do fundo em meio à crise econômica e sanitária – pelos cálculos de técnicos, o valor do fundo para 2022 deverá ser três vezes maior do que o que foi estabelecido para as eleições de 2018 e de 2020

“Triplicar o valor do Fundo Eleitoral, enquanto mais de 500 mil cidadãos brasileiros morreram pelo coronavírus, além de inconstitucional, é imoral e cruel”, escreveram.

“O valor de 5,7 bilhões de reais é suficiente para adquirir todas as vacinas que o país precisa – mais de 350 milhões de doses”, completaram.

A votação do fundo eleitoral gerou críticas nas redes sociais e entre parlamentares. Após a reação negativa, o presidente Jair Bolsonaro tem sinalizado que deve vetar a medida.

G1

Candidatura de Rodrigo Pacheco para presidente do Brasil em 2022 sonha com Luiza Trajano na vice

Painel do Poder: Rodrigo Pacheco é a autoridade mais bem avaliada pelo  Congresso | Congresso em Foco
Foto de Marcos Oliveira/Agência Senado

O projeto de construção da candidatura presidencial do senador Rodrigo Pacheco (MG) continua avançando, sob a batuta do ex-ministro Gilberto Kassab, presidente nacional do PSD e um dos mais hábeis articulares políticos do país. Pacheco tem evitado confirmar a pretensão, como recomendam os manuais de política, mas ele adora a ideia, que tem sido bem aceita. Em conversas reservadas, espertamente ele mantém portas abertas, admitindo se associar a outra candidatura que “some mais”.

De Cláudio Humberto

Bolsonaro diz que mostrará imagens que comprovam fraudes nas eleições em live na quinta-feira (29)

O presidente Jair Bolsonaro disse que as provas serão apresentadas durante live na quinta-feira / Foto: DIDA SAMPAIO/ESTADÃO CONTEÚDO – 18/05/2021

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou nesta segunda-feira, 26, que irá realizar uma transmissão ao vivo na quinta-feira, 29, às 19h, para apresentar provas de fraudes nas eleições presidenciais dos últimos anos. O chefe do Executivo não detalhou se os documentos são referentes ao pleito de 2014, em que ele afirma que Aécio Neves venceu Dilma Rousseff no segundo turno, ou sobre a eleição de 2018, na qual ele foi eleito presidente da República. Bolsonaro alega que venceu ainda em primeiro turno, mas houve fraude para que disputasse o segundo contra Fernando Haddad, candidato do PT. O presidente disse que a live será realizada na sede do Ministério da Justiça e Segurança Pública. “A gente vai expor todas as questões que levam a uma eleição democrática no ano que vem. São três momentos inacreditáveis que a gente vai mostrar com fotografias de dados fornecidos pelo próprio TSE (Tribunal Superior Eleitoral). Se bem que faltam mais dados que não entregaram. Logo a gente conclui isso aí, porque o trabalho não é fácil”, declarou Bolsonaro em conversa com apoiadores na saída do Palácio da Alvorada.

“Agora dá para demonstrar, obviamente, até pelo maneira como o ministro Barroso está se posicionando. Tem algo esquisito. Ele podia falar: ‘Presidente, quer o voto auditável democrático em papel? Faça’. Por que ele é contra? Não quero acusá-lo de nada, só que ninguém consegue entender por que ele é contra”, argumentou o presidente. Bolsonaro acrescentou que parlamentares, ministros do Supremo Tribunal Federal e presidentes dos três poderes são passíveis de críticas. Para ele, apesar de as pessoas afirmarem que as críticas são uma forma de atentar a democracia, só existe um jeito de garantir que a democracia brasileira seja preservada de fato. “São votos auditáveis, voto no papel ao lado da urna eletrônica. É o voto democrático”, finalizou.

Jovem Pan

Lei de Ezequiel torna RN o primeiro Estado do país a regulamentar a atividade Off-Road

O presidente da Assembleia Legislativa, Ezequiel Ferreira (PSDB), recebeu nesta segunda-feira (26), na Assembleia Legislativa, os representantes da Associação Potiguar de Off-Road (APO). Na pauta, a Lei estadual 131/2021, que regulamenta a atividade esportiva e de lazer da atividade no Rio Grande do Norte. O Estado é o primeiro do Brasil a tornar legal a prática.
 
“Essa é a primeira lei do Brasil. Já fomos procurados por deputados da Paraíba, Ceará e Pernambuco para que ela seja replicada nesses Estados. Ela permite que o cidadão potiguar, que tradicionalmente gosta de utilizar as trilhas do seu Estado, de forma regular e dentro da lei”, disse Ezequiel Ferreira.
 
A lei estadual nº 131/2021 é de autoria do presidente da Assembleia Legislativa, o deputado Ezequiel Ferreira e reconhece a atividade de Off-Road como um esporte de aventura e radical de grande importância na cultura e no turismo potiguar. O projeto de lei foi sancionado pela governadora Fátima Bezerra (PT) e publicado pelo Diário Oficial na quinta-feira (22).
 
“Esse é um marco histórico do Brasil. O RN sai na frente de vários Estados do Nordeste com a aprovação dessa Lei que representa um novo momento do Off-Road. É importante ressaltar o ganho que isso representa para o fomento da economia do nosso RN, principalmente nesse momento de retomada”, celebrou o presidente da APO, Juscelino Martins Grilo.
 
“A regulamentação dessa atividade traz dignidade para os seus praticantes e para as comunidades por onde as atividades passam, movimentando a economia e fortalecendo os pequenos comércios”, comentou o representante jurídico da APO,  Marcílio Mesquita de Góes.
 
A lei deverá ser aplicada em conjunto e consonância ao código de trânsito brasileiro, com as resoluções do CONTRAN e no que couber as normas técnicas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), relativas ao turismo fora de estrada em veículos.
 
“Como praticante do Off-Road eu gostaria de agradecer o esforço do presidente Ezequiel Ferreira e a dedicação para que esse projeto fosse aprovado e mudasse o cenário que antes vivíamos”, destacou Samanta Alves, praticante do Off-Road. Na oportunidade os representantes da APO entregaram uma placa de agradecimento ao presidente da Assembleia Legislativa, Ezequiel Ferreira.